Chat


Get your own Chat Box! Go Large!
Tenham bom senso e responsabilidade com o que está sendo dito, com bom uso e principalmente, tendo em mente que TODOS deverão ser respeitados em suas diferenças, inclusive de opinião. Assim, nenhum usuário precisará ser bloqueado. O conteúdo da conversa, deve ser relacionado aos temas do blog.
É proibido o uso de nicks com nomes de Entidades, Cargos do Tipo Pai, Mãe, Ogan etc. ou Orixás, ou nicks considerados como insultuosos ou ofensivos.
É proibido insultar ou ofender qualquer utilizador deste chat. Respeite para ser respeitado.
Não informe dados pessoais na sala de chat, tais como E-mail,
Nº de telefone.
Esse tipo de informação deve ser em conversa privada com o membro, pois o Blog não se responsabiliza por quaisquer dano e/ou prejuízo.
Ao menos uma vez por semana, estarei presente e online para quem quiser conversar, compartilhar algo e/ou trocar idéias.

sábado, 31 de dezembro de 2011

Clique na imagem para ampliá-la

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Sexo, drogas e família

Hoje é muito comum vermos notícias e até mesmo conhecermos pessoas envolvidas com drogas; adolescentes que inicial sua vida sexual muito cedo e logo engravidam e outras coisas tomadas como “coisas da vida” pela maioria das pessoas.
É importante saber que a causa desses males e sua solução, reside no mesmo instrumento: A Família.
Com a vida atribulada e a correria do dia a dia nas grandes cidades, as famílias estão enfrentando uma verdadeira desintegração de sua principal característica: A união. Raramente encontramos famílias que almocem e jantem juntas a mesa. O diálogo entre pais e filhos é sempre povoado de desconfianças, ameaças e falta de atenção de ambas as partes. E isso, é responsável pela sensação de abandono e desamparo que leva muitos jovens para o negro universo das drogas.
Um apoio familiar firme e uma boa dose de diálogo e confiança são elementos primordiais para o bom funcionamento das relações familiares e a conseqüente cobertura protetora de seus membros mais jovens. Saber lidar com um adolescente rebelde e contestador pode ser desgastante e, até mesmo, frustrante. Mas deixá-lo de lado tentando não polemizar e não “bater de frente” com seus erros, é entregá-lo facilmente ao abraço mortal desse caminho sm volta. Se você tem dificuldades em falar com seu filho e sente que ele está se perdendo, procure ajuda na figura de alguém em que você confie ou na forma de um médico atencioso e preparado para tal. Jamais desista e parta para o enfrentamento. O amor e a fé no poder de Jesus Cristo devem sempre nortear seus passos e serem sua força motriz.
O mesmo se refere à gravidez na adolescência. Pregar a abstinência é válido e desejável. Faça a menina ou o menino entenderem que a vinda de um filho, num momento tão impróprio e para o qual não estão preparados nem física nem psicologicamente será desastroso. Prejudicará seus estudos, sua vida social e certamente privará o pai ou a mãe precoce de um futuro mais centrado e bem direcionado.
Transformar o sexo em algo mal e sujo não adianta. Lembre-se que ele é um impulso natural do ser humano e uma prioridade biológica. Faça então sua filha ou seu filho entenderem que a prática do sexo exige a responsabilidade de quem o pratica. Mostre a eles os métodos contraceptivos existentes e demonstre todas as renúncias que um filho nos obriga a fazer. E, principalmente, deixe bem claro que será DELES a responsabilidade de criar, alimentar e manter a criança. Logicamente, você dará apoio e proteção, nunca desamparando, mas assumir o papel de mãe do futuro bebê, só levará a repetição do fato.
Faça seu filho ou sua filha sentirem que tem um futuro brilhante pela frente. Que poderão construir uma carreira e, quando estiverem prontos, terem seus filhos. Mas que, se isto acontecer agora, essa ordem natural será investida e todos esses sonhos se transformarão em frustrações e sentimentos de revolta.
Em ambos os casos, a família deve ser o centro de proteção e o elo de força da corrente. O diálogo, o companheirismo e a compreensão devem fazer parte do dia a dia de qualquer família bem estruturada. Educar e orientar para evitar o triunfo do mal, essa deve ser a lei obedecida cegamente em todos os lares.
Saudações e que Deus abençoe a todos.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

A caridade e a falsa ajuda

Vendo os noticiários e lendo os jornais, percebemos o quanto o homem moderno se afastou de seu criador. A busca incessante pelo prazer gratuito e pelo dinheiro; transformou a humanidade numa legião de hedonistas que pouco se preocupa com o próximo.
Lembrem-se que ao ser perguntado sobre qual seria a melhor forma de honrar a Deus; Jesus disse: “Além de amá-lo acima de todas as coisas, ame seu próximo”. Agora, amar seu próximo, não é dar esmolas de vez em quando ou apenas se compadecer do sofrimento dos que vivem atribulações.
Amar ao próximo é ajudar ao seu semelhante a superar as adversidades da vida. Muito mais do que dar uma simples esmola. É você fazer com que seu próximo se valorize e evolua como ser humano. Uma palavra de carinho, um apoio numa hora difícil, dar a ele o respeito que merece ou uma mão amiga que o erga do chão. Essa é a verdadeira forma de ajudar seu próximo.
Quando você vê um necessitado e apenas lhe dá uma esmola e, trinta segundos depois, apaga a imagem daquele ser humano de sua mente; achando-se um grande cristão e um homem de bem, você apenas contribui para que ele continue se degradando. O certo é você “perder” seu tempo com ele e entender o que o levou para aquela vida. Tente demovê-lo da situação, encaminhá-lo para uma organização que cuide dele e que promova uma real transformação em sua vida. Ao simplesmente dar uma esmola, você apenas participa e incentiva o seu infortúnio e é o responsável pela degradação daquela alma.
Ninguém é ingênuo para pedir que você pare sua vida por alguém que “quer” viver nas ruas. O que peço, é que procure ajudar de outra forma ao invés de dar esmolas. Como eu disse acima, uma organização responsável e especializada nesse tipo de atendimento poderá ajudá-lo. Tudo isso ao alcance de um telefonema. E, para isso, você gastará o mesmo tempo que gastaria para dar uma esmola. A diferença é que você REALMENTE estará ajudando um irmão. E fará Jesus sorrir.
Sempre encontraremos tempo para ajudar alguém que amamos; não é? Pois então, muito mais importante e valioso, é ajudar alguém que nunca vimos ou sequer conhecemos. Esse é o verdadeiro Espírito Cristão. Mesmo nas mais terríveis atribulações, uma mão amiga que surge na escuridão, pode iluminar a alma de qualquer ser humano. E essa luz, será o farol que guiará sua alma diretamente para Jesus.
Lembre-se disso, ajudar é importar-se. E importar-se é amar.
Que Deus e Nosso Senhor Jesus Cristo abençoe a todos.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Jesus e o dia a dia do cristão

Muitas vezes encontramos pessoas que se dizem cristãos e aparentam uma vida religiosa ativa e compromissada com os valores ensinados por Jesus. Mas, se olharmos mais atentamente, elas deixam bem claro que a sua vida cristã reside apenas em aparências.
Normalmente, podemos perceber, em pequenos detalhes, que o seu comportamento está muito aquém do ensinado pelo Mestre. Elas deixam seus preconceitos e intolerâncias aflorarem e manifestarem-se através do desrespeito ao próximo. Praticam a corrupção de autoridades. Fecham seus olhos para o sofrimento dos irmãos próximos ou dos desconhecidos. Atuam apenas com uma aparência proba e honesta quando, na verdade, usam de qualquer subterfúgio ilegal para atingirem os seus objetivos.
Pessoas assim não são cristãos. São hipócritas. O verdadeiro cristão sabe que é impossível ser perfeito. Afinal de contas, somos pecadores por natureza e muitas vezes nos pegamos em maus pensamentos ou desejando coisas que não nos pertencem. Mesmo que seja apenas por uma fração de segundo. O bom cristão sabe que o mal está por toda parte e a influência do inimigo é poderosa. Por isso mesmo, o cristão usa os ensinamentos de Jesus para tentar ser uma pessoa melhor. Compreender que todas as pessoas são igualmente dignas de ocupar o seu espaço nesse mundo e merecem respeito. Não compactuar com a corrupção e não ajudar a propagá-la. Respeitar as diferenças que nos regem, mesmo quando essas diferenças podem nos afrontar. Amar e se compadecer do sofrimento dos amigos e dos inimigos; dos que vivem próximos de nós e dos que jamais conhecemos.
Ser um cristão é, antes de tudo, saber que devemos amar o próximo como amamos a Deus. E, esse amor, deve ser traduzido em respeito, tolerância, compreensão, amizade e afeto. Portanto, nas palavras do próprio Cristo, se você ora como um anjo pela manhã e vive como um animal o resto do seu dia, você jamais será um cristão.
Ponha a mão em sua consciência e busque a evolução.
Seja feliz e ame o próximo.

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Tempos difíceis e o amor de Jesus Cristo


Nenhum de nós duvida que vivemos tempos difíceis e que estamos passando por verdadeiras provações. A violência desenfreada, a morte banalizada, ações funestas e maléficas tidas como corretas, ganância desenfreada e a corrupção imperando até entre os homens de Deus.
Muitos poderiam dizer que essa podridão experimentada nesses dias difíceis é a prova de que o Fim dos Tempos está próximo. Mas, na realidade, essa mesma podridão nos acompanha desde que o primeiro de nós virou as costas para Deus e feriu mortalmente seu próprio irmão.
Isso mesmo. Quando Caim matou Abel, marcou para sempre a humanidade com o ódio, a inveja, a lassidão e a maldade. A única forma de impedir o mal de nos tomar completamente é ficarmos vigilantes e termos em mente a necessidade de nos mantermos focados no amor maior de Nosso Senhor Jesus Cristo.
“Amai ao próximo como a ti mesmo”. Nesta sentença chave de Jesus está a fórmula para uma vida mais sadia, uma sociedade mais justa e um mundo verdadeiramente melhor. Afinal, se cada um de nós, parar por apenas um segundo, antes de tomar uma decisão que prejudicará um de nossos irmãos, para pensar como nos sentiríamos se aquilo acontecesse conosco; certamente mudaríamos de ideia e jamais cometeríamos um ato de maldade.
Assim, Jesus nos ensinou que é a empatia (a capacidade de se colocar no lugar do outro) a chave para uma vida harmoniosa e um mundo menos violento, ganancioso e podre.
Cabe apenas a você decidir se deseja ouvir as sábias palavras de Jesus e praticar seus ensinamentos ou, simplesmente, continuar esperando que alguém faça por você enquanto reclama da crueldade do mundo.
Pense nisso.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

O Julgamento

Conta uma antiga lenda que na Idade Média, um homem muito religioso foi injustamente acusado de ter assassinado uma mulher.
Na verdade, o autor era uma pessoa poderosa no reino e, por isso, desde o primeiro momento procurou-se alguém para levar a culpa , para acobertar o verdadeiro assassino.
O homem foi levado a julgamento e o resultado seria a forca.
Ele sabia que tudo iria ser feito para condená-lo e que teria poucas chances de sair vivo no fim de tudo.
O juiz, que também estava combinado para encontrar um culpado e condenar o homem, simulou um julgamento justo,
fazendo uma proposta ao acusado que provasse sua inocência.
Disse o juiz: "- Sou de uma profunda religiosidade e por isso vou deixar sua sorte nas mãos do Senhor; vou escrever em um pedaço de papel palavra INOCENTE e noutro pedaço a palavra CULPADO. Você sorteará um dos papeis e aquele que sair será o veredicto. O Senhor decidira seu destino "
Sem que o acusado percebesse, o juiz separou os dois papeis, mas em ambos escreveu CULPADO de maneira que, qualquer que fosse o escolhido iria trazer a palavra CULPADO ,
não existia nenhuma chance do acusado se livrar da forca.
Não havia saída. Não havia alternativas para o pobre homem.
O juiz colocou os dois papéis em uma mesa e mandou o acusado escolher um.
O homem pensou alguns segundos e pressentindo a vibração, aproximou-se confiante da mesa, pegou um dos papéis e rapidamente colocou-o na boca e o engoliu.
Os presentes ao julgamento reagiram surpresos e indignados com a atitude do homem.
"- Mas o que você fez? E agora? Como vamos saber qual seu veredicto? "
O Homem responde: " - É muito fácil.  Basta olhar o outro pedaço que sobrou e saberemos que acabei engolindo o oposto do que está ali."
Imediatamente o homem foi libertado.
Por mais difícil que seja uma situação, por mais que você não veja saída , não deixe de acreditar e de lutar até o ultimo momento.
Use a criatividade quando tudo parecer perdido.
Ouse, faça o que ninguém espera , confie na inspiração que vem ao seu coração!!

domingo, 25 de dezembro de 2011

Hoje é Natal!


E junto com ele vem o desejo de reforçarmos o que lhe desejamos em todos os seus  dias.

Desejamos que na paz de Deus, você possa sempre encontrar o seu caminho.

E que este caminho seja trilhado com muita fé. Para que cada vez mais você possa acreditar neste sentimento capaz de transpor obstáculos inimagináveis.

Coragem, para assumir e enfrentar as dificuldades do dia-a-dia.

Perseverança, para que jamais você desista ou desanime dos seus sonhos.

Esperança, para que a cada novo dia você possa ver novos horizontes.

Amor: amor que motiva todos os outros sentimentos fazendo com que você viva sempre cercado de compreensão, respeito, solidariedade e dedicação.

Que as mãos de Deus guiem sua vida para que esta transborde em Paz, Harmonia, Saúde e Alegrias.

Feliz Natal!!

Eduardo Henrique Marçal

sábado, 24 de dezembro de 2011

Clique na imagem para ampliá-la

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

A Magia do Natal

O Natal é um encontro espiritual.
A energia do amor nos envolve nestes dias que antecedem o Natal.
Pensamos muito naqueles que amamos, queremos estar juntos, queremos encontrar ou nos reencontrar.
É a oportunidade de descobrir a verdade mais pura. A verdade da alma, a verdade do coração!
O alimento ofertado nesta data representa o banquete de opções que vivenciamos durante todo o ano.
O quanto a vida nos proporcionou para a nossa evolução.
A mesa de Natal e todo o carinho com que a arrumamos é a representação simbólica do que somos e gostamos. É a nossa realização colocada em cada detalhe!
Uns mais outros menos, mas com igual valor para cada um! O valor somos nós que colocamos em tudo que fazemos!
O Natal é um momento de confraternização com os nossos entes queridos.
Com aqueles que convivemos pelos laços de sangue, amizade ou mesmo aqueles que a vida nos coloca frente a frente para que aprendamos algo que nos faça crescer.
A vida só quer nosso crescimento e, para isso, oferece uma ceia de relacionamentos durante todo o ano. Uma ceia de oportunidades para descobrirmos os nossos talentos e a nossa tolerância.
A vida nos coloca em contato com diferentes temperamentos, de diferentes pessoas que interagimos no dia a dia. Com elas, aprendemos a nos colocar, nos conhecer e perceber que o que não faz parte de si mesmo é por que é a parte do outro. Cada um tem seu espaço e sua importância na vida.
É no último banquete, na ceia natalina, que descobrimos onde chegamos até o momento e quais os caminhos que ainda queremos ou precisamos caminhar.
É enriquecedor reconhecer cada passo percorrido como uma aventura que nos engrandece e nos faz sentirmos vivos.
No momento da grande ceia de Natal nos deparamos com tudo que aprendemos. Amores, dores e sabores que passamos a conhecer, vivendo!
Nos reconhecemos ainda mais vividos. É o aprendizado da vida! Crescemos o aceitando!
Temos maior discernimento para “ceiar” com o sentimento de gratidão por encontrarmos aqueles que nos são queridos e, outros, que teremos outras chances de aprender a amar com o passar do tempo. Que seja hoje, amanhã ou em outro tempo mais longínquo.
É um momento de estarmos conosco e com aqueles que consideramos importantes para nós. É uma parada no tempo para encontros e reflexões.
A ceia de Natal é muito mais do que aprendemos a acreditar! Ela é a somatória de todas as possibilidades e experiências que passamos ao longo do ano. 
É a consagração da nossa vida! É o estar aqui, é viver! É o agradecer! É o engrandecer!
É a fé na vida!
Natal é olhar além e acreditar que o amor será o ingrediente dos próximos dias, meses e em todo decorrer do ano seguinte!
É a felicidade!
É o amor o bálsamo divino chegando a Terra!

POR RENATA D. LIMA

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

O Pequeno do Xale Grande


O velho André era dono de uma pequena fortuna, que juntara durante uma vida de trabalho e economia. Vivia numa pequena chácara e, como era muito caridoso, repartia sempre o que possuía com os pobres.
Era seu costume dar roupas de seu uso aos pobres e nunca se esquecia de pôr um dinheirinho nos bolsos. Diziam que ele mesmo comprava roupas para dá-las aos maltrapilhos.
Certo dia, depois de uma chuva diluviana, o velho André examinava os danos causados pelo temporal, quando enxergou atrás da cerca de bambu um menino encharcado que dizia:
- Moço, moço! O senhor tem uma roupa velha para mim? Mamãe me mandou levar ovos à quitanda e a chuva me apanhou no caminho.
- Hum! Hum! fez o velho André. - Você é muito pequeno, mas, ainda assim, pode-se arranjar qualquer coisa. E levou-o para dentro de casa. Pouco tempo depois o garoto saía com umas calças enormes, enroladas nas pernas e com um xale capaz de cobrir o picadeiro de um circo! Ria feliz e despedia-se agradecido.
O velho André seguia-o com o olhar e murmurou baixinho: talvez...
A noite começava a envolver em trevas o caminho e a casinha modesta, quando alguém bateu à porta. O velho André parou de tomar sua sopa e foi atender. Era o garoto ainda envolvido pelo xale grande.
- Você por aqui?! interrogou o velho.
- É verdade, eu ainda - atalhou o menino, estendendo a mão com o dinheiro. Encontrei num dos bolsos e vim trazer. O velho André tomou o pequeno pela mão, olhou-o demoradamente e disse baixinho:
- Uma criança! Foi o único!
Era a primeira pessoa que vinha restituir o dinheiro, que sempre colocava no bolso das roupas que dava. Não demorou muito tempo e o velho André morreu. Abriram o seu testamento. Tinha legado todos os seus bens ao "pequeno do xale grande", o mais grato, o mais honesto, o mais digno!

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Uma sugestão: Liberte-se da culpa

Somos nascidos sob a influência da culpa. E por isso, temos sido instruídos, disfarçadamente, a senti-la a fim de buscarmos a (suposta) paz, para nossa consciência. As religiões são hábeis nesse sentido. Ou seja, levar o indivíduo a se martirizar interiormente para poder se libertar de algum pecado ou problema com Deus. Qualquer estudioso mais acurado,  perceberá o grave paradoxo entre culpa e libertação.
Lamentavelmente, essa tem sido a programação milenar a qual estamos subordinados, tanto antes quanto depois de assumirmos o corpo físico.
A culpa tem sido usada por líderes do universo-trevas e manipulada em nossas almas, como instrumento de controle emocional para que lembremos  de quem realmente manda neste planeta, nesta dimensão temporal e quem faz as regras nela.
O sentimento de culpa aleija o espírito e paralisa a alma que, sentindo-se merecedora de algo, não consegue acessar os seus mananciais divinos e nem interagir livremente com situações, lugares e pessoas. Imagine que tem gente que se sente culpada até pelo que ainda não conteceu. É incrível o poder paralisante e destruidor desse sentimento para o espírito humano. E isso, os tenebrosos conhecem muito bem, e fazem bom proveito dessa "arma" destruidora.
Alerto, portanto, que sentir-se culpado só piora as coisas em nossa existência, pois a culpa fortalece o medo e o remorso, levando à autopunição, que é uma verdadeira trava para o indivíduo.
Ao lidarmos com os acontecimentos do cotidiano, o ideal é agir com responsabilidade e termos a noção dos nossos limites para que, ao final, não haja mortos e nem feridos (se é que você me entende).
Uma sugestão: liberte-se da culpa e, conseqüentemente, do medo e do remorso! Isso lhe fará um ser humano melhor. Mas saiba que tudo o que fazemos pode se voltar contra nós. Portanto, faça o seu melhor, sem agredir a sua consciência e tampouco as consciências alheias.

POR GESIEL ALBUQUERQUE

domingo, 18 de dezembro de 2011

Amor Insuperável

Ele veio à luz numa noite quase fria e para aquecê-lo, serviram-se os pais de palhas e feno, destinadas aos animais do local onde se abrigavam.
Teve Sua vida ameaçada, desde os meses primeiros, por quem temia se ver destituído do trono das vaidades.
Vagou por terras estrangeiras, retornando à cidade de Seus pais, para crescer em graça e vitalidade.
O clima político era de intranquilidade. O povo a que pertencia era escravo de nação arbitrária e dominadora.
O governo estava centrado no acúmulo das riquezas e na manutenção do poder pela força, desde que lhe faleciam razões outras.
Toda vez que lhe mencionariam o nome, ao longo dos séculos que viriam empós, seria lembrado como Aquele que viera de cidade das menos expressivas de Sua nação.
Seu pai não detinha projeção social. Era carpinteiro e cedo, Suas mãos longas e finas passaram a modelar a madeira.
Quando o tempo se fez próprio, fez-Se conhecer dos homens, servindo-Se de frases ditas muitos séculos antes de Sua vinda.
Frases de conhecimento popular, repetidas de geração a geração, em cânticos de esperança.
Mas aqueles mesmos para quem viera, não O reconheceram. Esperavam alguém cheio de pompa e Ele fez-Se pequeno, para amar e servir aos homens.
Acusaram-nO de crime de sacrilégio porque ousou afirmar a Sua filiação Divina, desvelando-nos o Pai de todos nós.
Chamou os que O seguiam de amigos, patenteando que a amizade é dos mais puros sentimentos.
Afirmou que Se ofereceria em holocausto, no momento oportuno e que, pelos Seus amigos, daria a própria vida.
Lecionou a alegria, fazendo-Se presente em momentos de importância da vida de parentes e pessoas que desejavam com Ele partilhar o pão, a mesa, a amizade.
Abençoou com Sua presença um casamento, assinalando a importância da família.
Chamou a Si os pequenos, afirmando da importância do período infantil e, educador excepcional, disse das graves responsabilidades de se bem conduzir essa quadra da vida.
Esteve com os jovens e, idealista, convidou-os para O seguirem, a fim de que tivessem a sua juventude abençoada pelo amor imperecível.
Fez da natureza Seu templo e Sua escola, chamando a atenção dos que O ouviam para as coisas pequeninas.
O grão de mostarda, a figueira improdutiva, a sega no momento apropriado, a periodicidade das estações, uma folha de árvore.
Ensinou a nobreza no sacrifício por amor à verdade. Com Seu sangue regou o ânimo dos que Se lhe tornariam seguidores, no transcorrer dos evos.
Retornando do país do Além, Ele que fora abandonado, traído, apresentou-Se para consolar os amigos.
Atestou a Imortalidade com a Sua presença, permitindo-Se tocar, apalpar.
Conhecedor das necessidades humanas mais primárias, não Se pejou em preparar, na praia, o fogo, oferecendo aos amigos pescadores, o alimento, em Seu retorno das lides.
Foi filho amoroso, amigo incondicional, servidor da Humanidade.
Nada exigiu. Exemplificou a perfeição e, num convite veemente, estabeleceu que quem O desejasse imitar, bastava tomar de Sua cruz e segui-lO.
O que Ele fazia, todos podiam realizar.
Não prometeu recursos amoedados ou situações de privilégio. Ele era o Modelo e Guia, sem sequer possuir uma pedra para repousar a cabeça.
Não era excepcional, afirmava. Filho do Pai Excelso, comungando de Sua vontade, revelou-nos a nossa filiação Divina.
E no Seu testamento de amor afirmou que somos os herdeiros das estrelas, os senhores dos astros, viajores do Universo.
Chamam-no Nazareno, Amigo Celeste, Galileu, filho de Deus.
Não importa. Ele é Jesus, o amor insuperável. Nosso Mestre, Amigo, Irmão.
 
Redação do Momento Espírita

sábado, 17 de dezembro de 2011

Espiritualidade - O Poder da percepção espiritual


O Espírito é o lugar da intuição, dos sonhos, das visões, das revelações e da mais profunda intimidade do tipo mais direto de conhecimento.
É a parte mais profunda de nossa humanidade e é o lugar onde ‘sabemos que sabemos’.
As principais funções do Espírito são amor, sabedoria, percepção e conhecimento.
Esta é verdadeiramente uma enorme transição em nossa natureza. Nós evoluímos do ser espiritualmente cego e sem compreensão, ao ser capaz de perceber as realidades espirituais.
Todo um novo modo de enxergarmos e compreendermos a vida é aberto.
Esta revelação é verdadeiramente chamada de "sermos vivificados em Espírito", ou "termos os olhos do nosso coração iluminado." ou ainda “termos os olhos espirituais e ouvidos abertos para o poder da percepção espiritual”.
Assim, o poder da percepção espiritual, que dá equilíbrio à vida e estabilidade emocional, é um dom do Ser Maior Criador Deus.
Vamos então refletir sobre o tema?
Embora o poder da percepção espiritual seja uma obra Soberana e Divina, também pode ser adquirido através do nosso crescimento espiritual.
Sermos capazes de perceber o Amor em que estamos alicerçados, e cheios de toda a plenitude do Ser Maior Criador Deus, deverá ser o apropriado em estabilidade emocional.
Sabedoria madura exige um forte senso de responsabilidade moral pelas consequências de conduta, bem como uma cooperação ativa com os ciclos inexoráveis da Natureza.
Estes incluem o familiar ciclo de nascimento e morte, o surgimento e desaparecimento de continentes e também as miríades das vicissitudes na alteração e aperfeiçoamento das evoluções humanas.
É perturbador pensar que a grande maioria de nós seres humanos, como estando espiritualmente prejudicados pelas conseqüências terríveis do abuso flagrante das faculdades mais elevadas durante vidas anteriores.
A necessidade de despertar a qualidade latente do poder da percepção espiritual é um desafio profundo e inescapável para todos nós aspirantes no caminho da iluminação espiritual evolucionária.
No momento em que usamos muito mais nossa percepção sensorial corporal, o que implica que nossa sensação de realidade é selecionada através de nossos filtros egoístas, como nos relacionamos com tudo para nós mesmos, que vivemos dentro da nossa própria bolha, a julgar tudo pelo conceito ‘doce/ amargo’, ‘bom/ ruim’, ‘gosto/ não gosto’.
O poder da percepção espiritual se expressa quando deixamos a nossa própria bolha e começamos a perceber a realidade através dos outros, seja pela doação ou pelo amor incondicional.
Começamos a nos preocupar com o verdadeiro/ falso em relação tanto a nós mesmos, como aos outros, e ainda ao nosso meio ambiente.
Através do poder da percepção espiritual, podemos obter a imagem, direta de toda a realidade deste ‘grão de areia’ que consideramos ‘nosso mundo’. 
Faz sentido?
Poderemos alcançar a total percepção no Aqui Agora, precisando apenas do método correto, que poderá nos ajudar o nosso auto-ajuste.
Como seres humanos espirituais, começamos nosso caminho como pequenos animais que só podiam sentir quando sentiam o bom ou o ruim.
Gradualmente, novos dados informativos foram vivenciados, e além de nós sentirmos bem ou mal, estas informações nos levaram a uma análise adicional de verdadeiro e falso. 
Correto?
Quando começamos a revelar nossa dependência em relação ao meio ambiente para conectá-lo aos sentimentos de bem ou mal, então a percepção de um adicional de "verdadeiro e falso" começa a aparecer em nós.
Fazemos a avaliação do verdadeiro e falso em relação aos benefícios e malefícios da sociedade, e bom e ruim (o doce contra o amargo) com relação ao nosso próprio bem-estar.
A percepção do exterior em comparação com a percepção do Eu Interior é o que separa o nosso desenvolvimento espiritual do desenvolvimento corporal.
Nós já passamos por uma longa cadeia de renascimentos, com vidas anteriores, digamos, mais difíceis do que a que estamos vivendo hoje.
Comparado com as dificuldades ou mesmo sofrimentos que tivemos no passado, nossa vida atual é como um passeio agradável neste mundo, não é verdade?
Sendo assim nossa existência neste mundo agora é especial, já que depois de milhares de anos de desenvolvimento egoísta, fomos despertados para sair deste mundo e entrarmos no Mundo Superior, para fazermos a transformação espiritual.
Está claro?
Cada um de nós tem um núcleo de percepção do mundo superior chamado "o ponto no coração", que incansavelmente tanto nos puxa como empurra.
A matéria em que vivemos é o campo espiritual.
Não há matéria e não há mundo. A única coisa que existe é o campo espiritual que contém todas as Almas irmãs em estado inconsciente, dormindo.
Algumas dessas Almas irmãs, no entanto, se inspiram para despertar e revelar seu próprio estado verdadeiro.
Mas desde que a espiritualidade é perfeita e completa, nosso anseio de percebê-la também deverá ser perfeito ou completo.
Na verdade, o próprio Ser Maior Criador Deus se apresenta com disponibilidade para nos ouvir, e então devemos, prosseguir neste empenho, buscando sempre a elevação dos nossos níveis de consciência.

POR MARCOS PORTO

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Ciúmes na visão Espírita


ciúme está envolvido com as nossas encarnações passadas e talvez seja uma
perda muito grande que tivemos e por não querer perder de novo, vivemos
inseguros achando que perderemos de novo assim como no passado. É como se fosse uma autodefesa, uma tentativa de bloqueio a perdas futuras. Talvez seja até alguma pessoa muito querida nossa que fugiu ou partiu com outro e por isso reencarnamos inseguros de tudo e de todos. Pode ser o caso de que estes ciumentos incontroláveis possam ter sido suicidas que para não ficarem sozinhos e abandonados se suicidaram e agora tem que passar por tudo de novo para mostrar que estão recuperados.
O ciúme com certeza tem a ver com encarnações passadas e com grandes
perdas e muita mágoa, porque hoje vemos que os ciumentos incontroláveis sofrem muito com uma simples "possibilidade" de perda, mesmo que seja coisa de sua mente, eles sofrem com essa situação, os ciumentos não agem assim por prazer por querer dominar, é uma coisa muito forte e pra eles é uma atitude muito correta e justa.
Lembrando que existe o ciumento movido pelo egoísmo, que não tem só
ciúmes de pessoas, mas de objetos também e de tudo que outras pessoas possam vir a ter também. E tem os ciumentos que só sentem isso por determinada pessoa, como se fosse uma obsessão, onde pra esta pessoa só existe uma coisa importante neste mundo, a pessoa que eles tanto amam.
O tratamento a base de remédios pode ajudar, mas não de forma completa,
já que é uma deficiência do espírito. Com isso a pessoa para tentar amenizar a situação, deve primeiro se reconhecer como uma pessoa ciumenta e a partir daí, buscar uma ajuda psicológica, onde algum profissional desta área possa junto com o ciumento tentar achar um ponto de equilíbrio, ou até mesmo se for o caso da pessoa ser mais voltada ao lado espiritual, tentar fazer uma regressão por hipnose, pois é uma área que tem conseguido resultados fantásticos, feito está técnica por médicos espíritas e espiritualistas, onde a regressão deve ultrapassar o útero e alcançar encarnações passadas, para descobrir onde está o elo que ficou preso no tempo.

1) O CIÚME É REALMENTE O TEMPERO DO AMOR? POR QUÊ?
 
R: Erradamente foi criada esta afirmação, ao meu modo de ver o ciúme não tem nada a ver com tempero nenhum, talvez seja o tempero da discórdia, das brigas, etc.
Infelizmente as pessoas acham que quando demonstram ciúmes a pessoa amada fica feliz e se sente assim mais importante pro outro. Acham erradamente que quem tem ciúmes do outro é porque ama, só que este ciúme que faz tão bem no início pode vir a ser um empecilho ao prosseguimento da felicidade.

2) O CIÚME REALMENTE ACONTECE INTENSAMENTE NOS RELACIONAMENTOS MAL CORRESPONDIDOS, NA VISÃO DE QUEM DÁ ATENÇÃO SOMENTE PARA A BELEZA EXTERNA, DESCONHECENDO O INTERIOR?

R: Não, isso é muito relativo e cada caso é um caso.

3) É VERDADE QUE "QUANTO MAIS AMOR, MUITO MENOS CIÚME. QUANTO MAIS AMOR, É POSSÍVEL ATÉ NÃO EXISTIR O CIÚME."? POR QUÊ?
 
R: O amor em si, puro e verdadeiro, ou seja, diferente de muitos "amores" que existem por aí, é um sentimento que combate determinados erros nossos.
Explicando melhor, o amor quando é verdadeiro não há espaço para coisas pequenas como o ciúme, porque ele como sentimento nobre, nos envolve de certa forma que fica quase impossível vivê-los ao mesmo tempo. Podemos assim dizer que o ciúme é a falta ou o uso incorreto do amor.

4) É VERDADE QUE "PARA HAVER CIÚMES É PRECISO HAVER INSEGURANÇA, FALTA DE DIÁLOGO; NO EXTREMO, FALTA DE TUDO; ESPECIFICAMENTE, FALTA DE UMA DECISÃO."? POR QUÊ?
 
R: Não, estes pontos descritos acima, são apenas conseqüências do ciúme, ou seja, desencadeados por ele. O ciúme vem acompanhado de diversas tendências que assumimos quando "aceitamos" o ciúme em nossas vidas (digo aceitar na forma de não lutar contra, pois isso pra mim é aceitar). Portanto para mim, para haver os ciúmes é preciso que as pessoas propensas a este sentimento não lutem contra este mal, e assim a propensão aumenta ao ponto de começarmos a tê-lo no nosso dia-a-dia.

5) O CIÚME PODE SER UMA OBSESSÃO? POR QUÊ?
 
R: O ciúme na nossa visão de encarnados é uma obsessão, onde a falta de controle e certas atitudes exclusivas para com determinadas pessoas. Agora levando num outro sentido a palavra obsessão, no sentido espiritual, acho que a obsessão pode ser apenas um aliado para alimentar o ciúme, como um combustível, que só queima se a máquina o processar, ou seja, a obsessão pode sim estar por de trás de um ataque de ciúmes, mas na verdade é preciso muitas coisas acontecerem antes para que um obsessor venha a nos incomodar e nos incentivar no ciúme. Lutar contra o ciúme é o caminho para evitar este tipo de assédio.

6) O CIÚME PODE GERAR UMA DEPRESSÃO?
 
R: Certamente que sim, se não houver busca de tratamento por achar natural os atos de ciúme.

7) O CIÚME REFERE-SE SIMPLESMENTE A CASAIS? OU PODE SER ESTENDIDO A
RELACIONAMENTOS OUTROS TIPOS: DE AMIZADE, PROFISSIONAL, DE RELACIONAMENTOS EM GERAL?
 
R: O ciúme por ser proveniente do espírito, pode sim ser extensivo a demais pessoas, não tendo como base apenas casais, mas sim duas ou mais pessoas ligadas num mesmo passado próximo. Vemos isso muito bem num ciúme natural e muito forte entre certo pai ou mãe a determinado filho, onde apenas um filho é alvo deste ciúme além do comum. Ainda existem pais que tem mais ciúmes dos filhos do que de um para com o outro.

POR RAIMUNDO PINHEIRO

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

A mulher perfeita

 
Um homem saiu pelo mundo à procura da mulher perfeita. Depois de dez anos de busca, voltou a aldeia e cruzou um amigo que perguntou:

- Encontrou a mulher perfeita em suas andanças?


- ele respondeu:


- Ao sul, encontrei uma mulher linda. Seus olhos pareciam esmeraldas, seus cabelos cor da graúna, seu corpo lindo como uma deusa.


O amigo, entusiasmado, diz:


- Onde está sua esposa?


- Infelizmente, ela não era perfeita, porque era pobre...


Fui para o norte e encontrei uma mulher que era a mais rica da região.


O amigo:

- E aí? Casou com ela?

O homem:


- Não. O problema é que nunca vi criatura mais feia em toda a minha
vida...

Mas, felizmente, no sudeste, encontrei uma mulher perfeita... Era linda de ofuscar os olhos e ainda por cima tinha dinheiro, contou o homem.


- Então, você se casou com ela, não é, amigo?


- Não, porque, infelizmente, ela também procurava o homem perfeito.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

10 coisas que levei anos para aprender


01- Jamais, sob quaisquer circunstâncias, tome um remédio para dormir e um laxante na mesma noite.

02- Se você tivesse que identificar, em uma palavra, a razão pela qual a raça humana ainda não atingiu (e nunca atingirá) todo o seu potencial, essa palavra seria 'reuniões'.

03- Há uma linha muito tênue entre "hobby" e "doença mental".

04- As pessoas que querem compartilhar as visões religiosas delas com você, quase nunca querem que você compartilhe as suas com elas.

05- Não confunda nunca sua carreira com sua vida.

06- Ninguém liga se você não sabe dançar. Levante e dance.

07- A força mais destrutiva do universo é a fofoca.

08- Uma pessoa que é boa com você, mas grosseira com o garçom, não pode ser uma boa pessoa.

09- Seus amigos de verdade amam você de qualquer jeito.

10- Nunca tenha medo de tentar algo novo. Lembre-se de que um amador solitário construiu a Arca de Noé. Um grande grupo de profissionais construiu o Titanic.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Deficiências

O preconceito e a descriminação esta na maneira que você julga o que realmente não conhece.
Reflitam!!
Já andei por tantos caminhos e já vivi tantas coisas, que hoje vejo que o preconceito e discriminação estão em cada um de nós, e cabe a nós quebrá-los para que possamos viver numa sociedade mais justa e humana.
Hoje posso afirmar que:
"Deficiente" é aquele que não consegue modificar sua vida, aceitando as imposições de outras pessoas ou da sociedade em que vive, sem ter consciência de que é dono do seu destino.
"Louco" é quem não procura ser feliz.
"Cego" é aquele que não vê seu próximo morrer de frio, de fome, de miséria.
"Surdo" é aquele que não tem tempo de ouvir um desabafo de um amigo, ou o apelo de um irmão.
"Mudo" é aquele que não consegue falar o que sente e se esconde por trás da máscara da hipocrisia.
"Paralítico" é quem não consegue andar na direção daqueles que precisam de sua ajuda.
"Diabético" é quem não consegue ser doce.
"Anão" é quem não sabe deixar o amor crescer.
E "Miserável" somos todos que não conseguimos falar com Deus.
Renata Vilela

Queridos Amigos!!

Deficiente são essas pessoas que podem ver, mas não querem enxergar, que podem falar, mas deixar o medo tomar conta e não falam. Que fingem não ouvir o que realmente lhes diz a respeito e que é bom para seu crescimento. Feliz são aqueles que lutam pelos seus objetivos mesmo diante das dificuldades que poderiam atrapalhar, mas mesmo assim não param... Basta ter força de vontade, acredite que você pode... Que você pode!

Um forte abraço!!

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Desmistificando a Umbanda

Se você quer milagres, não procure a Umbanda. O supremo milagre para a Umbanda é você doar-se em caridade.

Se você quer curar seu corpo físico, não procure a Umbanda. A Umbanda só cura os males de sua mente, do seu coração e da sua alma, ou seja, Ela cura o seu espírito da ignorância, cólera e desejos desenfreados.

Se você quiser arranjar emprego ou melhorar sua situação financeira, não procure a Umbanda. Você se decepcionará, pois Ela vai ensina- lhe sobre desapego em relação aos bens materiais, ensinará sobre caridade e respeito. Não confunda, porém, desapego com renúncia!


Se você quer poderes sobrenaturais, não procure a Umbanda. Para a Umbanda, o maior poder sobrenatural é o triunfo sobre o egoísmo, na doação de si ao emprestar seu corpo para o trabalho da caridade. E não se engane, incorporação é dom mediunico natural.


Se você quer triunfar sobre seus inimigos, não procure a Umbanda. Para a Umbanda, o único triunfo que conta é o do médium sobre si mesmo, visto ser esse o verdadeiro inimigo.


Se você quer a vida eterna em um paraíso de delícias, não procure a Umbanda. Vida eterna você já tem, e Ela exigirá muito trabalho aqui e agora, depois, mais ainda!

Se você quer massagear seu ego com poder, fama, elogios e outras vantagens, não procure a Umbanda. A casa de Umbanda é lugar de trabalho sério e não é passarela de mídia.


Se você quer, passivamente, a proteção Divina, não procure a Umbanda. Ela lhe ensinará que você já tem tudo disponível, mas terá que se mover para colher. Tudo de acordo com seus esforços.

Se você quer um caminho fácil para Deus, não procure a Umbanda. Ela é um longo caminho de volta para si, pois se não o encontrar dentro de si, fora é que não encontrará.


Se você quer o perdão para as suas falhas, deixando-lhe livre para errar de novo, não procure a Umbanda. Ela lhe ensinará a implacável Lei de Causa e Efeito e a necessidade de auto-reforma através de trabalho árduo. Logo, é você que deve perdoar-se e, lançar-se rapidamente ao trabalho.

Se você quer respostas cômodas e fáceis para suas indagações existenciais, não procure a Umbanda. Ela aumentará suas dúvidas, pois você deverá policiar-se o tempo todo, para não cultuar o próprio ego.


Se você quer uma crença cega, não procure a Umbanda. Ela lhe ensinará a pensar com sua própria cabeça, pois aprenderá a diferênça entre si e os Guias, entre os Guias e os Orixás, incorporando-Os."Você não crê p'ra vê, nem vê p'ra crê!". Você vivencia, e isso é ser a ´própria' crença.

Se você é dos que acham que a verdade está nas escrituras, não procure a Umbanda. Ela lhe dirá que o papel é muito útil para se anotar o que nossa mente fraca acaba esquecendo, contudo, o mais intelectual dos umbandistas pouco vale sem a caridade.


Se você quer saber a verdade sobre os discos voadores ou sobre a civilização de Atlântida, não procure a Umbanda. Ela lhe ensinará a querer a verdade sobre si mesmo.


Se você só quer se comunicar com espíritos, como panacéia para exibir-se em vídeos e slides, não procure a Umbanda. Ela lhe ensinará a se comunicar com seu verdadeiro Eu, e um Eu não há como exibir.

Se você quer conhecer como foi em suas encarnações passadas, não procure a Umbanda. Ela lhe mostrará como você é hoje, a sua miséria presente. O que já será difícil suportar.


Se você quer conhecer o seu futuro, não procure a Umbanda. Ela só lhe dirá para prestar atenção em seus atos, pois só eles poderão lhe dizer o que será de si.

Se você quer ouvir palavras bonitas e galanteios não procure a Umbanda. Ela lhe apresentará o clamor dos que sofrem, para que você ajude a aliviar suas dores.


Se você quer ser "sério e austero", não procure a Umbanda. Ela lhe ensinará a cantar, a dançar e a não ter vergonha de parecer descontrolado.

Se você quer brincar e se divertir, não procure a Umbanda. Ela lhe ensinará a ser Sério e Austero.


Se você quer viver, não procure a Umbanda, pois Ela lhe ensinará o que é Morrer.

Se você quer morrer, não procure a Umbanda, pois Ela lhe ensinará a Viver.

domingo, 11 de dezembro de 2011

Voltando da Guerra


Esta história é sobre um soldado que finalmente estava voltando para casa depois de ter lutado no Vietnã.

Ele ligou para seus pais :

- Mãe, pai, eu estou voltando para casa, mas eu tenho um favor a pedir. Tenho um amigo que gostaria de trazer comigo.

- Claro, nós adoraríamos conhece-lo!!!

- Há algo que vocês precisam saber, continuou o filho.

Ele foi terrivelmente ferido na luta: pisou em uma mina e perdeu um braço e uma perna.

Ele não tem nenhum lugar para ir e por isso, eu quero que ele venha morar conosco.

- Sinto muito ouvir isso, filho, nós talvez possamos ajudar a encontrar um lugar para ele morar.

- Não, mamãe e papai, eu quero que ele venha morar conosco.

- Filho, você sabe o que está pedindo? Alguém com tanta dificuldade seria um grande fardo para nós.

Nós temos nossas próprias vidas e não podemos deixar que uma coisa como esta interfira em nosso modo de viver.

Acho que você deveria voltar para casa e esquecer esse rapaz. Ele encontrará uma maneira de viver por si mesmo.

Neste momento o filho bateu o telefone. Os pais não ouviram mais nenhuma palavra dele.

Alguns dias depois, eles receberam um telefonema da polícia de São Francisco.

O filho deles havia morrido depois de ter caído de um prédio. A polícia acreditava em suicídio.

Os pais, angustiados, voaram para São Francisco e foram levados para o necrotério, afim de identificar o corpo do filho.

Eles o reconheceram, mas para seu horror, descobriram algo que desconheciam:

O filho deles tinha apenas um braço e uma perna.

Os pais, nesta história, são como muitos de nós. Achamos fácil amar aqueles que são bonitos ou divertidos, mas não gostamos das pessoas que nos incomodam ou nos fazem sentir desconfortáveis.

De preferência, ficamos longe destas e de outras que não são saudáveis, bonitas ou espertas como nós somos.

Precisamos aceitar as pessoas como elas são, e ajudar a todos na compreensão daqueles que são diferentes de nós.

Este é o AMOR INCONDICIONAL !

E ele é para todos!

sábado, 10 de dezembro de 2011

Os cinco arrependimentos mais comuns no leito de morte


- Não – você não é o centro do mundo.

As pessoas podem amadurecer muito quando se deparam com sua própria mortalidade.

Mas você não precisa esperar até lá.

Conheça cinco arrependimentos mais comuns no leito de morte, segundo um enfermeiro que trabalha com pacientes terminais:


1 – “Eu gostaria de ter tido a coragem de viver uma vida fiel a mim mesmo, e não a vida que os outros esperavam de mim”



Esse foi o arrependimento mais comum de todos.

Quando as pessoas percebem que sua vida está terminando, é fácil ver como muitos sonhos não foram realizados.

A maioria das pessoas não tinha honrado nem metade dos seus sonhos, e teve que morrer sabendo que isso é culpa das próprias escolhas que fizeram, ou não fizeram.


É muito importante tentar honrar pelo menos alguns de seus sonhos ao longo da vida.

A partir do momento que você perde a saúde, é tarde demais.


2 – “Eu gostaria de não ter trabalhado tanto”


Todos os pacientes lamentam disso.

Quem trabalha muito, vê pouco os filhos e perde o companheirismo do parceiro.

É um arrependimento profundo passar tanto tempo da sua vida na esteira de uma existência profissional.


Ao simplificar seu estilo de vida e fazer escolhas conscientes ao longo do caminho, é possível não ter esse arrependimento.

E criando mais espaço em sua vida, você se torna mais feliz e mais aberto a novas oportunidades.


3 – “Eu gostaria de ter tido coragem de expressar meus sentimentos”



Muitas pessoas suprimiram seus sentimentos a fim de manter a paz com os outros.

Como resultado, estabeleceram uma existência medíocre e nunca se tornaram quem poderiam ser.


Muita amargura e ressentimento é o resultado. Nós não podemos controlar as reações dos outros.

As pessoas podem, inicialmente, reagir quando você fala honestamente, mas no final, a relação só melhora e se torna mais saudável com sinceridade.

Não segure suas opiniões ou sentimentos. Se por acaso alguém não gostar de você como você é, você tem a chance de se libertar de algo que não lhe faz bem.



4 – “Eu gostaria de ter mantido contato com meus amigos”


Muitas vezes as pessoas não percebem verdadeiramente os benefícios de velhos amigos até à semana de sua morte.


Muitos se tornam tão ocupados em suas próprias vidas que deixam amizades de ouro deslizarem de vista ao longo dos anos.

Depois, lamentam profundamente não ter dado a essas amizades o tempo e o esforço que elas mereciam. Todo mundo sente falta de seus amigos quando está morrendo.


Não é dinheiro ou status que mantém a verdadeira importância da vida para quem chegou ao fim.

Naquele momento, o que você quer mesmo é fazer coisas em benefício daqueles que você ama. No final, tudo se resume a amor e relacionamentos.


5 – “Eu queria ter me permitido ser feliz”


Surpreendentemente comum, muitas pessoas no leito de morte não perceberam, até ao final de suas vidas, que a felicidade é uma escolha.

Elas haviam ficado presas em velhos padrões e hábitos: o “conforto” da familiaridade.


O medo da mudança fez com que elas fingissem para todos e para si mesmas que estavam satisfeitas quando, lá no fundo, queriam mesmo é rir verdadeiramente.

Quando você está em seu leito de morte, você esquece o que os outros pensam de você, e é capaz de deixar para lá e sorrir com sinceridade. Seria bom poder fazer isso bem antes do momento final, não?


Por Natasha Romanzoti

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Ficai comigo Senhor...

Ficai comigo Senhor, porque Vossa presença me é necessária para não Vos esquecer. Bem sabeis quão facilmente Vos abandono...
Ficai comigo Senhor, porque sou fraco e preciso de Vossa fortaleza para não cair tantas vezes.
Ficai comigo Senhor, porque sois minha vida e sem Vós me esmorece o fervor.
Ficai comigo Senhor, porque sois minha luz e sem Vós me acho em trevas.
Ficai Senhor comigo, para me mostrardes Vossa vontade.
Ficai Senhor comigo, porque desejo amar-Vos muito e estar sempre em Vossa companhia.
Ficai comigo Senhor, se quereis que eu Vos seja fiel.
Ficai comigo Jesus, porque minha alma, conquanto paupérima, todavia quer ser para Vós um habitáculo de consolação, um ninho de amor.
Ficai, Jesus, comigo, que entardece e o dia se vai... isto é, a vida passa... a morte se avizinha... avizinha o juízo, a eternidade... e é mister redobrar minha forças para não desfalecer no caminho, e para tal preciso de Vós. Entardece e vem a morte...
Inquietam-me as trevas, as tentações, a aridez, as cruzes, as penas, e ah! como preciso de Vós, meu Jesus, nesta noite de exílio.
Ficai, Jesus comigo, pois preciso de Vós nesta noite da vida e dos perigos.
Fazei que eu Vos conheça como Vos conheceram os discípulos de Emaús ao partir do pão, isto é, que a união Eucarística seja a luz que dissipa as trevas, a força que me sustenta e a única felicidade do meu coração.
Ficai, Senhor comigo, porque, ao chegar a morte, quero estar unido a Vós, se não pela Santa Comunhão, ao menos pela graça e pelo amor.
Ficai, Jesus, comigo! Não Vos peço Vosso divino consolo, pois não o mereço, mas o dom de Vossa santíssima presença. Oh! sim, Vo-lo peço!
Ficai, Senhor, comigo! Busco somente a Vós, o Vosso amor, a Vossa graça, a Vossa vontade, o vosso Espírito, porque Vos amo e não peço recompensa alguma, senão aumento de amor..
Amor sólido, prático. Amar-Vos com perfeição por toda a eternidade. Assim seja


(Composta por São Frei Pio de Pietrelcina)

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Recado aos que procuram pelos Guias de Umbanda...

- Guias de Umbanda não é "encosto fofoqueiro e adivinhador " ! Entenda isso, não é difícil!

Muitos vêm procurar nossos amados Guias a fim de perguntar o que irá acontecer com eles, se vão vender a casa, se vão ganhar mais dinheiro, se fulano está traindo ciclano, se beltrano é bom e de confiança, enfim, esquecem-se da Lei da Ação e Reação. 
Em seus imediatismo perguntam tudo isso mas,...

Esquecem-se de observar as próprias atitudes no meio em que vivem.
Esquecem-se de se livrar do imenso egoísmo que os movem até um Centro de Umbanda;
Esquecem-se da luxúria exacerbada que exalam e os tornam caricatos;
Esquecem-se das palavras mal ditas e malditas que pronunciam a cada frase;
Esquecem-se de fazer a caridade consigo, quanto mais com o próximo;
Esquecem-se de dosar a língua falando mal dos outros e de tudo;
Esquecem-se do respeito com quem só lhes dá amor e caridade e nada pedem, ( como os Guias)
Esquecem-se de auto observar-se para atingir o crescimento cármico dessa jornada;
Enfim, esquecem-se de tudo o que é mais básico em um ser que se diz humano e civilizado.


A maioria dessas pessoas dizem aos guias não serem umbandistas e isso é o que mais magoa um médium, pois cada um já aprendeu um pouco sobre o valor de um Guia. Ele sabe de todo o percurso que teve que percorrer para estar ali pronto para ser instrumento da verdadeira caridade e não para ver o desrespeito do consulente para com seus Guias. Se esta pessoa não confia em sua religião, porque acham que têm o direito de desrespeitar a alheia?!


Tenho certeza de que, quando vão à missa, a um culto evangélico, a um satsang em um templo hindu, numa tenda xamânica, ou outra religião que professem, não querem que os trabalhadores ali adivinhem sobre suas vidas, assim como fazem com as Entidades de Umbanda.

Me pergunto por que exigem tanto de nossa religião? E ainda saem falando: “eu não gostei daquele Guia porque ele não respondeu o que perguntei e ainda me deu bronca! ” ou, com um ar de bedoche e desconfiança; " fulano me 'leu cartas' e disse que tenho um trabalho feito e esse Guia disse que não...", querendo forçar uma situação que as justifiquem. 


Seria tão bom e tanto mais fácil se tivéssemos alguém para nos dizer sobre os futuros acontecimentos, viria tudo mastigadinho! Mas então não teríamos méritos para o crescimento espiritual.


Entendam, vocês que se encontram na condição de consulente, os Guias não facilitam para ninguém, pois não é essa Sua função. Eles são muito mais exigentes principalmente para com Seus médiuns. Eles não nos dão respostas prontas, mas nos levam à auto-avaliação e re- encontro de nossas próprias soluções.

Senhores consulentes, está na hora de mudar essa atitude perante os nossos Guias.


Sim, o Cabolo/a, o Preto Velho/a, o Baiano/a, o Boiadeiro, as Crianças e até os Exus e Pomba Giras , por quem vocês buscam, são espíritos evoluidos e abnegados em fazer o Bem. E embora alguns sejam de uma alta hierarquia fazem questão, com toda humildade, de se vestirem de Caboclo, Preto Velho... e até dos/as tão caluniados Exus e Pombas Giras só para estarem mais próximos dos necessitados, ensinando-os o valor do desapego sem constrangê-los.

( Pode ser que o Caboclo ou outro Guia

incorporado no médium à sua frente
seja um Anjo Divino.)


Eles vem na Lei de Umbanda para fazer o Bem em prol da evolução humana, não da satisfação dos desejos egóicos de alguns consulentes. Se a religião Umbanda lhes é útil de alguma forma e lhes recebede com os braços abertos  ( e sempre recebe! ), o mínimo que vocês podem fazer por Ela é terem respeito, a começar pela forma de tratamento e de como se referem à Ela e aos seus praticantes.
Lógico que tem aqueles que vêm com tanto respeito, amor e gratidão que quando chegam diante do Guia já receberam tudo o que necessitam, e a consulta se torna "algo mais", pois sobra tempo para uma troca de carinho. Garanto, nesta nossa sociedade pouquíssimos momentos são tão gratificantes como o carinho de um Guia Espiritual.

Para finalizar faço uso das palavras de uma irmã:


" Está na hora de assistirmos a um Culto nos concentrando durante o ritual para que possamos receber aquilo que estamos querendo, é claro, de acordo com o nosso merecimento.

Está na hora de assistirmos a um Culto, pedindo perdão ao nosso Pai Maior pelos nossos atos cruéis e pedi-lhe que nos aperfeiçoe e nos ajude nessa caminhada.


Povo de Umbanda ( ou não ), vamos ver a nossa Centenária religião de outro jeito! A Umbanda é linda porque é versátil, dinâmica, atual. Ela é linda pela sua variedade de Culto. Ela é linda porque ela é Umbanda!"

...E Umbanda é Sagrada!


Que Oxalá abençoe a nós todos!

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Livrando-se dos Encostos


Por vezes, o pior "encosto" é o encarnado que está ao nosso lado, ao qual não nos afastamos por interesses egoísticos os mais diversos.

Esquecemos facilmente que somos os ùnicos responsáveis pela nossa felicidade ou infelicidade, aqui com os "vivos" ou do lado de lá com os "mortos". Um dia responderemos a um juiz implacável - nossa consciência imortal.

Muitas criaturas freqüentam os centros espíritas apenas para se livrarem do "encosto" de espíritos atrasados, que lhes tolhem a liberdade de ação e as impedem até de gozar os prazeres mais comuns.

Elas se queixam de perseguições invisíveis de "velhos adversários" do passado, mas ignoram que, às vezes, se trata de uma providência salutar adotada pelos seus próprios guias, no sentido de preservá-las de maiores prejuízos.

Os espíritos inferiores em serviço voluntário e sob o comando dos seus mentores, praticam os seus "encostos" aplicando fluidos opressivos ou incômodos, que funcionam à guisa de um "freio moderador" sobre os encarnados.

Não se trata de qualquer processo obsessivo, mas apenas de uma interferência compulsória sobre os homens imprudentes, que tem como objetivo reduzir suas atividades nocivas.

Subjugados pela carga dos fluidos entorpecentes dos espíritos inferiores, as criaturas deixam de comparecer a aventura extraconjugal censurável, faltam à jogatina viciosa e evitam os ambientes prostituídos onde domina o tóxico alcoólico.

Elas sentem-se desanimadas, febris e buscam o leito de repouso, completamente indispostas ou impossibilitadas para acompanhar as libações dos companheiros.

É óbvio que nem sempre o "encosto" é recurso providenciado pelos guias em favor dos seus tutelados, pois também pode ser fruto do processo obsessivo comandado pelos espíritos "das sombras".

Mas, em ambos os casos, os fluidos incômodos ou agressivos desaparecem na sua ação indesejável, assim que as vítimas acertam sua "bússola espiritual" a objetivos sadios e benfeitores.

Também não importa o prestígio, a responsabilidade ou a cultura do homem do mundo, pois tanto enferma entre lençóis confortáveis o rico e feliz, quanto o pobre, entre os trapos da cama tosca.

Até os anjos podem usar de métodos ríspidos, mas de proveito espiritual, assim como os pais severos, ante o filho rebelde que não atende aos seus conselhos, resolvem, adotar providências mais rigorosas e eficazes.

Esses recursos drásticos e violentos, embora criticáveis em sua aparência, muitas vezes evitam que os encarnados ingressem na senda criminosa que poderia atirá-los no cárcere, impede-os da aventura que lhes macularia o nome benquisto, evita-lhes a união ilícita com a mulher prostituta ou afasta-os do negócio desonesto e de agravo contra terceiros.

O saneamento, portanto, não se refere propriamente ao corpo transitório mas, em particular, ao espírito eterno, isto é, ao cidadão sideral. Atinge o homem rico, formoso e culto, assim como a criatura ignorante e coberta de andrajos.


Ramatís
- Elucidações do Além

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Você teme o invejoso?


Por que?... enquanto você pesca, ele olha o rio...

O invejoso é um eterno espectador,
pois enquanto você dorme pacificamente,
ele perde o sono quando pensa em você.

Você acorda e saúda o sol,
ele olha o seu bronzeado.
Você sai para o trabalho,
ele calcula o seu salário.
Você constrói a sua casa,
ele julga a cor das tintas.
Você estuda, tem boas notas,
ele se preocupa com esses números.
Você conquista um diploma,
ele vive o medo do seu sucesso futuro.
Você levanta um prédio,
ele escolhe uma janela pra pular.
Você cura os doentes,
ele adoece por causa disso.
Você ensina os seus alunos,
ele tenta descobrir o que você não sabe.
Você tem a simpatia da chefia,
ele prefere chamá-lo de puxa-saco.
Você recebe os aplausos,
ele busca saber se alguém o vaia.
Você liga seu computador para serviço útil,
ele coleciona programas de vírus.
...ele é um eterno espectador...
...merece sua compaixão... e não seu temor...


Autora; Silvia Schmidt

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

O Natal na Umbanda

 Estamos em Dezembro, um mês mágico que altera o estado de espírito das pessoas, principalmente dos umbandistas, que já comemoraram Yemanjá, Yansã e Oxum no começo dele.
Ainda temos o dia 25, quando a cristandade comemora o nascimento do Mestre Jesus no mundo todo e temos o dia 31, quando todos comemoram a passagem do ano com uma explosão de alegria e votos de que o ano que começará seja de paz, saúde e prosperidade.
Para os umbandistas a comemoração do natal cristão é algo natural, até porque a maioria dos seus seguidores e médiuns praticantes veio da religião cristã. Inclusive, muitos umbandistas seguem uma corrente doutrinária denominada Umbanda Cristã, muito parecida com o Espiritismo Kardecista.
Na maioria dos seus centros os umbandistas colocam em seus altares a imagem do Mestre Jesus no seu degrau mais alto, prestando-lhe uma reverencia e adoração sublime devido seu sincretismo com o Orixá Oxalá, o maior dos orixás cultuados na Umbanda.
Esse respeito e reverencia ao Mestre Jesus enobrece ainda mais a umbanda, a mais tolerante das religiões existentes no Brasil, já que ela acolhe em seus centros os seguidores de todas as outras com amar e respeito, sem constrangê-los com perguntas sobre a religião que seguem e sim, os auxiliam onde elas não podem ou seus sacerdotes não sabem como lidar: a Mediunidade e os problemas espirituais de fundo karmático!
Nesse ponto a Umbanda é única entre as religiões!
Seus dirigentes e médiuns, assim como todos os Guias Espirituais, acolhem os seguidores de outras religiões como irmãos e os auxiliam como podem e da melhor forma possível, livrando-os de suas perturbações de fundo espiritual, auxiliando-os na cura de suas doenças, auxiliando-os a conseguirem um emprego, quebrando demandas das quais são vitimas, etc.
E isso sem perguntar-lhes quais as suas religiões, sem atribuir às suas crenças religiosas a causa de suas dificuldades e nem os obrigando a se converterem para que, aí sim, sejam ajudados pelos sagrados Orixás e pelos Guias Espirituais de Umbanda.
Não vemos isso acontecer nas outras religiões, onde o usual, assim que sabem a religião de quem adentra em seus templos é ir alertando-os ou acusando-os de seguirem uma religião errada, ou pagã, ou do diabo, etc. Nesse aspecto a Umbanda é única e insuperável porque todos os umbandistas acreditam que Deus é único, esta presente na vida de todos e em todas as religiões, não importando a forma que usam para cultuá-lo e adorá-lo. Inclusive, é comum aos seguidores das outras religiões regirem com palavras ofensivas à nossa religião e à nossa pessoa assim que ficam sabendo que seguimos a religião Umbanda, dando a entender que só eles cultuam e adoram Deus.
Essa postura intolerante por parte da maioria dos seguidores de outras religiões para conosco, os umbandistas, provavelmente é uma decepção para o mestre Jesus, que não fundou nenhuma religião e não pregou a intolerância, mas vê entre os seus seguidores uma reação não fraterna aos seus irmãos em Deus que professam outras crenças religiosas.
Os umbandistas seguem a Umbanda, mas respeitam todas as outras religiões e a crença dos seus seguidores e não temem entrar em suas igrejas porque nesse quesito estão anos-luz à frente dos demais, já que sabe que só há um Deus, criador de tudo e de todos e existem suas divindades, espalhadas entre as muitas religiões existentes na face da terra, com Jesus Cristo incluído entre elas e ao qual respeitam e amam.
No dia em que todas as religiões e todos os seus seguidores pensarem e agirem como prega a Umbanda e os umbandistas nesse mundo haverá mais fraternidade verdadeira e menos miséria, doenças, crimes, racismo e intolerância.
Mas isso talvez seja esperar demais dessa humanidade pecadora que discrimina seus semelhantes só porque seguem uma religião diferente, ainda que todos saibam que só há um Deus e que todos somos seus filhos... que todos somos irmãos perante Ele, o nosso Divino Criador!
Por ser como são e por amarem e respeitarem o Mestre Jesus os umbandistas comemoram o Natal e lhe rendem merecida homenagem, pois, pelo menos nessa data cristã os cristãos de fato se mostram mais fraternos e tolerantes.
Nesse natal, que o amado Mestre Jesus abençoe a todos!
Feliz Natal Umbandistas!

Pai Rubens Saraceni

domingo, 4 de dezembro de 2011

A Cidade dos Resmungos


Era uma vez um lugar chamado Cidade dos Resmungos, onde todos resmungavam, resmungavam, resmungavam. No verão, resmungavam que estava muito quente. No inverno, que estava muito frio. Quando chovia, as crianças choramingavam porque não podiam sair. Quando fazia sol, reclamavam que não tinham o que fazer. Os vizinhos queixavam-se uns dos outros, os pais queixavam-se dos filhos, os irmãos das irmãs. Todos tinham um problema, e todos reclamavam que alguém deveria fazer alguma coisa.
Um dia chegou à cidade um mascate carregando um enorme cesto às costas. Ao perceber toda aquela inquietação e choradeira, pôs o cesto no chão e gritou:
- Ó cidadãos deste belo lugar! Os campos estão abarrotados de trigo, os pomares carregados de frutas. As cordilheiras são cobertas de florestas espessas, e os vales banhados por rios profundos. Jamais vi um lugar abençoado por tantas conveniências e tamanha abundância. Por que tanta insatisfação? Aproximem-se, e eu lhes mostrarei o caminho para a felicidade.
Ora, a camisa do mascate estava rasgada e puída. Havia remendos nas calças e buracos nos sapatos. As pessoas riram ao pensar que alguém como ele pudesse mostrar-lhes como ser feliz. Mas enquanto riam, ele puxou uma corda comprida do cesto e a esticou entre dois postes na praça da cidade.
Então, segurando o cesto diante de si, gritou:
- Povo desta cidade! Aqueles que estiverem insatisfeitos escrevam seus problemas num pedaço de papel e ponham dentro deste cesto. Trocarei seus problemas por felicidade!
A multidão se aglomerou ao seu redor. Ninguém hesitou diante da chance de se livrar dos problemas. Todo homem, mulher e criança da vila rabiscou sua queixa num pedaço de papel e jogou no cesto.
Eles observaram o mascate pegar cada problema e pendurá-lo na corda. Quando ele terminou, havia problemas tremulando em cada polegada da corda, de um extremo a outro. Então ele disse:
- Agora cada um de vocês deve retirar desta linha mágica o menor problema que puder encontrar.
Todos correram para examinar os problemas. Procuraram, manusearam os pedaços de papel e ponderaram, cada qual tentando escolher o menor problema. Depois de algum tempo a corda estava vazia.
Eis que cada um segurava o mesmíssimo problema que havia colocado no cesto. Cada pessoa havia escolhido o seu próprio problema, julgando ser ele o menor da corda.
Daí por diante, o povo daquela cidade deixou de resmungar o tempo todo. E sempre que alguém sentia o desejo de resmungar ou reclamar, pensava no mascate e na sua corda mágica.

Do livro: O Livro das Virtudes II - O Compasso Moral
William J. Bennett

sábado, 3 de dezembro de 2011

Quando o orgulho vira obsessão


Brio ou altivez de uma pessoa pode ser compreendido como qualidade de
seu caráter. Uma pessoa altiva, geralmente, se valoriza e cultiva valores
ético-morais que se encontram internalizados em seu inconsciente.
No entanto, quando o orgulho, ou seja, o elevado conceito de si mesmo
extrapola a necessidade de valorização pessoal, vira "soberba" que é o orgulho exagerado, presunção.
Historicamente, o orgulho exagerado acompanha o homem desde tempos
imemoriais, quando o poder associou-se a pessoas de caráter duvidoso. A partir de então, a soberba fez escola no mundo dos orgulhosos que governavam a ferro e fogo, segundo interesses de dominação e poder.
Portanto, o orgulhoso exagerado não é uma condição comportamental
originada na infância, como muitos pensam, mas um traço psicológico adquirido e reforçado, durante muitas vivências de ligação com o poder, o mando e o autoritarismo, ou seja, o traço psicológico não se apaga com a morte do corpo físico e permanece latente na nova encarnação, embora sofra ação da lei do esquecimento do passado.
Há pouco tempo atrás, uma paciente em regressão de memória sintonizou
uma cena do passado que trouxe-lhe respostas sobre a complicada relação que mantinha com o seu pai desde a infância. Nessa vida ele fora uma pessoa poderosa e extremamente orgulhosa, que mantinha a sua família sob o jugo de suas ordens.
Dominador, não admitia contrariedades vindas de subalternos, inclusive familiares.
Na vida atual, ele não é o "todo-poderoso" daquela vida, mas ainda conserva
o marcante traço psicológico do orgulho, que, provavelmente, o acompanha há
muito tempo.
Naquela vida, a paciente fora uma das filhas, que apesar de revoltada com o
autoritarismo do pai, não o contrariava para não ser execrada da família e do lar. Na vida atual, apesar da lei do esquecimento ter apagado de sua memória essas lembranças, algo impedia com que ela se aproximasse de seu pai com naturalidade.
Hoje, a soberba do remoto passado já arrefeceu, possivelmente como
resultante de aprendizados adquiridos durante as experiências vitais que se
sucederam. Porém, conforme observação de sua própria filha, o "traço" permanece latente em seu inconsciente e manifestando-se em seu comportamento de uma forma menos incisiva na comparação com o distante pretérito...
O orgulho na medida certa faz bem ao ego e às pessoas de convívio íntimo.
Sentir-se orgulhoso com a conquista de um filho ou de outro familiar, faz parte das expectativas de crescimento de pessoas que compõem um núcleo familiar saudável sob o ponto de vista psíquico-espiritual.
O problema é o orgulho de traço obsessivo que leva o indivíduo à soberba, à
presunção, ao autoritarismo e à autoconfiança exagerada. Obsessão, a princípio anímica, mas que pode tornar-se anímico-espiritual, ou seja, originada pelo livre-arbítrio da pessoa e combinado com a sintonia pela mesma faixa vibratória de um espírito obsessor.
Nas reuniões mediúnicas espíritas, ocorrem muitos casos de atendimento a
espíritos obsediados pela condição de luxo, riqueza material e poder que
experenciaram em uma vivência na Terra. Durante muito tempo eles sentem-se ligados às ilusões da realidade física. Foram figuras influentes da nobreza medieval, da Igreja ou da política, onde, invariavelmente, exerceram a autoridade e conviveram íntimamente com o poder.
Quando estes espíritos reencarnam na riqueza ou na pobreza, o traço do
orgulho permanece marcante na inconsciência, prestes a revelar-se se a pessoa não alterar o seu padrão comportamental ou frequência vibratória através da educação responsável dos pais ou por intermédio dos benefícios da espiritualização ou do autoconhecimento. É o caso do dito popular: "Sou pobre, mas orgulhoso".
O orgulho, pai do egoísmo e mãe do egocentrismo existencial que tem
espalhado a infelicidade entre os povos da Terra, é a chaga que permanece
provocando sofrimento a indivíduos que trazem consigo a marca do orgulho
associado ao poder.
Vemos muitos deles espalhados por aí, exercendo cargos nas mais diversas
áreas de atuação profissional, política e religiosa. Inclusive eu, você, podemos ser um deles em potencial, à espera de uma oportunidade para que a "velha" soberba se revele...
Contudo, trazemos internalizados no inconsciente, as leis da vida em
equilíbrio, que é a referência máxima para o sentido de felicidade a partir das nossas livres escolhas. Repetir o passado é perder tempo precioso na senda que nos leva ao progresso espiritual. Ignorar o presente como uma oportunidade de renovação e de crescimento integral, é iludir-se com as armadilhas preparadas pelo ego de traço obsessivo.
Portanto, cuidado com o orgulho, pois essa energia em desequilíbrio pode
significar a nossa prisão em vida, seja na experiência da riqueza ou da pobreza material.

POR FLÁVIO BASTOS