Páginas

Chat


Get your own Chat Box! Go Large!
Tenham bom senso e responsabilidade com o que está sendo dito, com bom uso e principalmente, tendo em mente que TODOS deverão ser respeitados em suas diferenças, inclusive de opinião. Assim, nenhum usuário precisará ser bloqueado. O conteúdo da conversa, deve ser relacionado aos temas do blog.
É proibido o uso de nicks com nomes de Entidades, Cargos do Tipo Pai, Mãe, Ogan etc. ou Orixás, ou nicks considerados como insultuosos ou ofensivos.
É proibido insultar ou ofender qualquer utilizador deste chat. Respeite para ser respeitado.
Não informe dados pessoais na sala de chat, tais como E-mail,
Nº de telefone.
Esse tipo de informação deve ser em conversa privada com o membro, pois o Blog não se responsabiliza por quaisquer dano e/ou prejuízo.
Ao menos uma vez por semana, estarei presente e online para quem quiser conversar, compartilhar algo e/ou trocar idéias.

terça-feira, 31 de julho de 2012

Você é um canal de Deus?

Quando o ser humano desperta para a missão da sua alma e os seus papeis em um existência, também exercita um dos seus principais sentidos: a percepção. Perceber as coisas, os acontecimentos, as pessoas e o mundo em si, é uma questão relativa. O materialista percebe o mundo com o foco na materialidade, uma mulher que acabou de dar a luz, percebe de um jeito, um político em ano de eleição, percebe de outro, já um jovem de dezoito anos percebe de uma forma completamente diferente.
O que faz com que percebamos o mundo de um jeito ou de outro é a forma como vivemos, o modo como pensamento e o foco que temos sobre as coisas ao nosso redor. Mesmo assim sabemos que as verdades dos homens são relativas, mas que as verdades de Deus são universais. Isso quer dizer que Deus se manifesta através da natureza e de suas leis. Sendo assim, não existem formas diferentes na manifestação do Divino, apenas existem formas diferentes como percebemos essa manifestação em seus níveis, condições e maneiras. Resumidamente: é o nosso nível de consciência que determina como percebemos a realidade.
O caminho do buscador de evolução, ou simplesmente, daquele que procura a reforma íntima ou simplesmente a sua melhoria contínua, deve ser o de eliminar todas as formas de ilusão dos sentidos que o impede de  enxerguar e sintir a manifestação de Deus exatamente como ela é. Ou seja, não podemos perceber condições relativas a níveis de ilusão, pois temos que perceber o mundo de forma pura e natural.
Assim deveria ser a nossa conexão com Deus, algo direto, limpo, sem ilusões, fascinações ou distorções. Mas não fazemos assim pelo fato de que somos dominados por emoções e crenças mundanas, as quais objetivamente dizendo, são as pedras (fundamentais e necessárias)no caminho  da evolução humana.
O caminho é simples, é a jornada do aprendiz, nascer, viver, morrer e nascer quantas vezes mais forem necessárias até que o espírito, que é a parte eterna e essencial evoluía a condição de atingir a iluminação, a qual neste contexto quer dizer, a vitória ou domínio das emoções inferiores tais como: raiva, medo, ansiedade, mágoa, tristeza, entre outras.
Vivemos uma experiência material, em um mundo material, vestindo um corpo físico, mas não somos o corpo físico, somos o corpo espiritual. Quando o corpo físico morre, o corpo espiritual volta para a sua morada original que é a dimensão extrafísica da existência. Essa dimensão também é chamada de plano espiritual.
O plano espiritual interage com o plano físico e o plano físico interage com o espiritual o tempo todo, entretanto, para notar essa interação constante, o ser humano precisa se sensibilizar, silenciar a mente e expandir as faculdades psíquicas, pois são elas as responsáveis por esse intercâmbio.
A dimensão física da Terra nos serve como uma escola. Somos conduzidos até este ambiente físico com o propósito de evoluirmos, de resgatarmos situações mal resolvidas, de expandirmos nossos aprendizados pessoais, de aprendermos a dominar o ego inferior. Porém, quando nos densificamos usando um corpo físico – o que também é chamado de reencarnação – acabamos perdendo muito a consciência da nossa existência espiritual. É nesse momento que nossos desafios começam.
Vivendo na Terra, estamos sendo submetidos aos desafios que podem nos densificar ainda mais ou também podemos encontrar a iluminação e a plenitude. Na Terra, quando vestimos um corpo físico no tempo de uma existência, precisamos aproveitar a oportunidade para fazer valer a pena o  período de aprendizado, e acima de tudo, jamais aumentar as contas que temos.
Só é possível triunfar sobre o desafio se o aluno da escola Terra souber mesmo de onde ele veio. Só conseguirá evoluir com os aprendizados aquele que tiver constantemente consciente de sua condição de espírito.
Nessa jornada para aprendizado na escola Terra, quando os estudantes ingressam no período de estudos de uma encarnação, os espíritos das dimensões extrafísicas estão profundamente interessados no andamento dos aprendizados desses alunos. Os seres da luz querem o seu sucesso, porque sabem que este fato pode melhorar o mundo, mas o os seres das sombras querem o seu fracasso, pois querem piorar o mundo.
No plano físico, o assédio é liberado. De acordo com as leis divinas para a Terra, o livre-arbítrio deve ser respeitado, portanto, o assédio que um aluno morador da Terra recebe é escolha própria. Os assédios são de luz e de sombras, mas o caminho a ser seguido será sempre escolhido pelo aluno encarnado.
Esta é a conhecida disputa entre o bem e o mal. Muito falada desde as histórias antigas até os dias de hoje. Ela existe e pelas leis Divinas é também justa, porque como já dito, a escolha é de cada um e o lado sombra da existência precisa agir para representar os aprendizados de cada um.
Cada aluno faz a sua história, constroi o seu aprendizado e decide o seu futuro. Cada aluno decide a sua sintonia e o assédio que receberá. E ele receberá!  Mesmo que não saiba ou não perceba, ele receberá...
Da mesma forma que os espíritos da dimensão extrafísica podem interagir com os alunos da escola Terra no plano físico, os alunos encarnados também pode comunicar-se com os espíritos, desde que para isso eles estimulem seus mecanismos sutis de percepção.
Ao final do estudo, no período que representa uma encarnação, o aluno perde o seu corpo físico que lhe serviu de veículo e ele retorna (em espírito) ao plano espiritual para concluir qual foi o seu desempenho.
Alguns mergulharam tanto na matéria, que demoram muito tempo para perceber que retornaram a sua morada espiritual, com isso sofrem, adormecem, apegam-se ao passado, apegam-se a emoções ilusórias e atrasam seus projetos evolutivos.
Outros, conscientes de seus erros e esquecimentos, no contato com a dimensão espiritual a qual é a sua morada original, recuperam suas consciências e organizam-se para planejar uma nova jornada  na escola Terra. Sabedores das suas condições de “repetentes”, pedem a oportunidade e o amparo para voltarem o quanto antes, a fim de encontrar sua redenção.
Já um grupo um pouco menor em proporção, volta aos lares espirituais conscientes da jornada e agradecidos pelo bom desempenho que tiveram no período da encarnação. Conhecedores da lei da evolução constante organizam-se rapidamente para o novo retorno com propósitos de continuar lapidando e aprofundando os aprendizados.
Este é caminho básico de morte e nascimento, ou melhor, de morte e renascimento. Isto também contextualiza a explicação necessária para justificar o desapego, pois a morte é o retorno a nossa morada original, bem como o nascimento é ingresso na nova jornada de aprendizado, em tese, jamais deveríamos temer ou sofrer.
Essa informação também serve para fazermos a seguinte reflexão: por que erramos tanto? Por que caímos em tantos erros? Por que falhamos tanto nos mesmos desafios?
A resposta é simples: esquecemos de que somos e de onde viemos! Somos o espírito, apenas estamos corpo...
O que fazer para vencer essa tendência ao esquecimentos?
Simplesmente viver com o foco de quem somos e de onde viemos em essência. Na prática, isso se traduz em viver uma experiência material com a consciência de que estamos interagindo com outros planos,  e que esses por sua vez, tem condições plenas de tutelar a nossa jornada de evolução. Em outras palavras, quanto mais estivermos conscientes e perceptivos aos planos sutis, maiores serão as nossas chances de termos uma vitória encarnatória*.
Para cumprirmos bem esse papel, precisamos aprender a desenvolver a sensibilidade ao extrafísico. Na comunidade espiritualista essa faculdade é conhecida como mediunidade.
A mediunidade é como uma planta, cresce com o cuidado adequado, por isso para aumentar as faculdades da percepção é preciso treino contínuo. A notícia boa é que o ser humano tem naturalmente desenvolvida uma dose de mediunidade, ficando por conta da dedicação maior ou menor de cada um, o seu aprimoramento.
Quando a mediunidade se manifesta com mais evidência e clareza, a pessoa aprende que é dos planos extrafísicos que surgem as melhores lições, ideias, saídas, amparos, em outras palavras, percebe que não podemos viver desligados de quem realmente somos.
Mas a mediunidade deve ser construída juntamente com uma relação de amizade. Devemos dar força e foco para que as relações sejam construídas com base em sentimentos sinceros, verdadeiros, pautados no amor e no altruísmo consciente*.
Quanto tempo dura uma relação pautada no egoísmo e na cobrança?
Pouco?
Como é uma relação onde as pessoas ficam pedindo, pedindo sem querer dar nada em troca?
Conflitante, desequilibrada.
Como seria a amizade entre duas pessoas que não se falam, não se telefonam e nunca interagem?
Impossível, não é mesmo?
A força que vem do plano espiritual deve ser construída. Construída por uma parceria entre você e um grupo de seres que vê nessa relação uma troca mútua de energias. Esse talvez seja um dos fatos mais relevantes que poucos espiritualistas compreendem. Formamos grupos!
Grupos de espíritos unidos por afinidades. É a lei da atração ou lei da afinidade agindo!
E a pergunta essencial é: Afinidade de que?
Então você acha mesmo que se você usa a sua mediunidade apenas para aspectos egoístas, então seu grupo será somente de seres de luz? E se você só quer usar a sua mediunidade quando está com vontade, você então considera que o seu grupo será completamente abnegado e pronto para lhe ajudar a qualquer hora?
Formamos o nosso grupo com base em pessoas e espíritos desencarnados com os mesmos propósitos e afinidades. Por isso é correto dizer que muitos de nós temos parcerias compostas por espíritos egoístas, egocêntricos, vaidosos, irritados e que poucas vezes dedicam tempo para ajudar ao próximo.
Também formamos ao logo da vida parcerias com espíritos preguiçosos, acomodados e sem nenhuma ambição de evolução ou movimento.
Alguns formam parcerias com espíritos que adoram “bater cartão”, ou seja, se uma ajuda precisar ser feita após as 20h, então não dá!
Somos nós os canais, os espíritos encarnados... Somos nós que decidimos que tipos de canais ser! Egoístas ou altruístas, conscientes ou ignorantes, somos canais dos planos extrafísicos!  E a verdade que deve abalar a forma como nos disponibilizamos ou não como canais é:
Para vencer em uma jornada terrena de uma encarnação, teremos que aprender a ser bons canais.
 
A FUNÇÃO DOS CANAIS
 A alta espiritualidade, que na prática quer dizer a dimensão extrafísica envolvida por maior esclarecimento, a qual é considerada a morada dos Grandes Seres Iluminados, envia-nos proventos constantemente para que possamos evoluir e aprender desenvolver o amor. Ocorre que essa ajuda vem de forma sutil, sem fazer atalhos.  Quando uma força vem de um nível acima da existência, para se manifestar no nível inferior, ela precisa de intermediários, que neste caso chamamos de canais.
Podemos afirmar com o mais elevado nível de certeza que a Alta Espiritualidade procura a todo momento, bons canais para que possam ser transmitidas novas doses de cura, paz, alegria, entendimento, amor e fé para a humanidade.
Assim são inspirados os políticos, os líderes de todas as áreas, as celebridades, os religiosos, os inventores e os grandes empresários. Mas também da mesma forma e com a mesma intensidade são estimulados os cidadãos comuns, como eu e você, porque o amor é para todos. Assim como o sol que brilha sem distinção, sem julgamento ou preconceito, e ilumina a todos, a força de luz e amor da Alta Espiritualidade age sobre todos os seres humanos. A diferença entre aqueles que absorvem essa força e a retransmitem para a humanidade está na percepção, no foco e no poder do altruísmo, porque somos todos canais!
Da mesma forma que pessoas boas, com interesses elevados servem aos planos superiores para objetivos construtivos e amorosos, as pessoas alienadas, rebeldes, revoltadas, viciadas, reclamonas, vingativas, vaidosas, excessivamente críticas e ranzinzas também servem como canais de espíritos interessados na decadência humana, pois como já falado, a sintonia é a escolha de cada um, mas o assédio é inevitável. Só podemos decidir se o assédio é para o bem de um ou para o bem de todos, ou se é para o mal de um ou de muitos.
DEFINIÇÕES
CANAL
Canal no contexto da visão espiritualista é o ser disposto ou pró-ativo, a transmitir vibrações conscientes de um nível vibracional da existência para outro.  Todo indivíduo pensante é um canal. O Cérebro físico é um elemento receptor, emissor e transmissor de impulsos vibratórios. A aura humana da mesma forma capta vibrações sutis muito densas e as propaga para um nível mais denso da existência, portanto, todos essencialmente temos o dom de sermos canais.
TIPOS DE CANAIS
CANAIS CONSCIENTES
Indivíduos que compreendem o mecanismo e assim agem confiantes nos impulsos ou estímulos que recebem.
CANAIS SEMI-CONSCIENTES
Indivíduos que pouco compreendem o mecanismo e assim agem hora acreditando nas percepções que tem, hora as ignorando. Muitas vezes percebem que agem por força de estímulos sutis, já em outros momentos não sentem e nem consideram nada.
CANAIS INCONSCIENTES OU IGNORANTES
São indivíduos não compreendem e não consideram o mecanismo, mas que podem agir graças a influência de impulsos ou estímulos extrafísicos. Mesmo que a pessoa não considere essa hipótese, ainda sim, o seu mecanismo essencial sofre a influência de forças mais sutis, as quais podem afetar suas atitudes.
TIPOS DE AÇÕES:
INTERESSADOS NO BEM MAIOR
Canais conscientes da necessidade da tarefa de ajudar grupos maiores de pessoas ou situações que envolvam grandes localidades ou regiões. São normalmente pessoas portadoras de sentimentos nobres, pois percebem em seus corações o chamado sempre que ele é feito. Neste tipo ação, as vibrações densas do astral inferior da espiritualidade não penetram por conta da elevação envolvida nos espíritos que atuam formando parcerias muito coesas com esses canais.
INTERESSADOS NO O BEM DE GRUPOS MENORES E DE E INTERESSES ESPECÍFICOS
São os indivíduos os quais sempre que as pessoas ou situações próximas estão necessitando de amparo, mostram-se disponíveis. Embora são abertos ao altruísmo, estão preferencialmente focados em causas relacionadas apenas aos seus carmas pessoais.
Quando os indivíduos deste tipo apresentam problemas de moral destorcida ou falha nos valores pessoais, podem tornar-se canais negativos.
INTERESSADOS EM QUESTÕES PESSOAIS
São os indivíduos do tipo canais disponíveis desde que o assunto lhes traga vantagens e benefícios. Suas principais expressões são “eu, meu, minha, meus, minhas”. Não estão interessados no mal da humanidade, entretanto também não estão nada abertos em contribuir com a redução do sofrimento alheio. Quando os indivíduos deste tipo apresentam problemas de moral destorcida ou falha nos valores pessoais, podem tornar-se canais negativos com facilidade por conta da alta carga de egoísmo, carência e infantilidade emocional a que estão envolvidos.
MANEIRAS DE SEE UM BOM CANAL
Faça tudo que puder ser feito, para de uma forma sempre ética, equilibrada e respeitosa, ajudar a diminuir o sofrimento próprio e alheio.
Faça tudo que puder ser feito, para de uma forma sempre ética, equilibrada e respeitosa, ajudar a aumentar a consciência e cultura própria e da humanidade.
Faça tudo que puder ser feito, para de uma forma sempre ética, equilibrada e respeitosa, equilibrar e curar as emoções inferiores, próprias e da humanidade.
Algumas palavras combinam com isso: Amor, perdão, compaixão, novas ideias, renovação, reforma íntima, respeito ao próximo, saber dar limites, compreensão, eliminar a cobrança, estudar, meditar, ter foco na missão da alma, ajudar, ajudar a se ajudar, se ajudar, rezar, rezar, rezar e saber quem você é em essência!
 
Por Bruno J. Gimenes – sintonia@luzdaserra.com.br
Bruno é empresário, professor, palestrante e escritor autor de nove livros. Seu lançamento é “Os símbolos de força – A volta dos iniciados” . Bruno também é professor dos cursos a distância Luz da Serra.

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Os doze mandamentos contra o Estresse

 
I - OS DESEJOS SÃO ILIMITADOS, O SEU TEMPO NÃO.
Defina metas, prioridades da sua vida. Faça periodicamente uma revisão de seus objetivos.

II - VOCÊ É RESPONSÁVEL E SENHOR DA PRÓPRIA QUALIDADE DE VIDA.
Defenda seus direitos. Aprenda a ser eficaz e a ter ritmo: trabalho / lazer, alimentação / jejum, ação / repouso, inspiração / expiração. A qualidade de vida é uma planta que necessita ser regada sempre.

III - VOCÊ É UM SÓ.
Você só tem um coração. Portanto, faça uma coisa de cada vez. Tenha atividades e relações relaxantes, que não tragam a necessidade contínua de competir ou correr atrás o tempo todo.

IV - CUIDE DO SEU CORPO.
Escolha alimentos saudáveis, evitando agressões do tipo fumo, droga, excesso de bebida e comida. Reduza a ingestão de café. Beba oito copos de água, no mínimo, por dia. Mantenha seus intestinos bem funcionando.
Faça atividades físicas, no mínimo três vezes por semana, compatíveis com seu temperamento e condições físicas. Mantenha seu peso corporal em um nível satisfatório para você.
Ponha os pés descalços na terra por um mínimo de 20 minutos, em um lugar de muito verde, uma vez por semana, para descarregar. Faça um chek-up anualmente. Tenha um médico de confiança.

V - CUIDE DE SUA MENTE.
Seja seletivo com o que lê e vê. Reduza o hábito de assistir televisão. Exercite sua criatividade com música e artes em geral. Faça coisas que nunca fez, indo a lugares que nunca foi. Quebre rotinas e experimente o novo.

VI - QUE A SUA CASA SEJA UM LAR.
Um lugar acolhedor que o receba ao final de um dia cansativo, oferecendo-lhe conforto, calor à sua alma, repouso e amorosidade. Que seja um ninho para refazer as suas forças. Cuidado: não gaste todas as suas energias para ter uma casa e todos os bens de consumo do mundo moderno. Pode não lhe sobrar nem um minuto para usufruí-la.
Tornar uma casa um lar é um aprendizado contra o stress.

VII - DESCUBRA QUEM É VOCÊ.
Qual é seu temperamento, quais são suas crenças? Seja coerente com elas. Defenda seu bem-estar. Cultive um respeito saudável por sua individualidade e privacidade.
 
VIII - NÃO SEJA ONIPOTENTE.
Aprenda com os outros, procure ajuda necessária com amigos, médicos, terapeutas. Ouça e veja, para depois identificar quem são os aliados necessários e aqueles que deve evitar.
Não avalie pessoas e situações com preconceito. Às vezes, a resposta de uma situação difícil e estressante está numa atitude ou pensamento inédito.

IX - CONHEÇA E RESPEITE O OUTRO.
Ouça com atenção, buscando compreender o que o outro quer dizer. Ao verbalizar, certifique-se de estar sendo claro e compreensivo com o outro. O outro não é melhor nem pior que você. Ele é diferente, o que torna necessário o esforço de entendimento de ambos os pontos de vista.
Aceitar e usufruir as diferenças é sabedoria.

X - AMOR, INTIMIDADE E SEXUALIDADE.
Relações compulsivas, superficiais, narcisistas são como fast-food: costumam ser atraentes, mas não são nutritivas e podem custar muito caro em médio prazo. Cuide para desenvolver intimidade com pessoas com as quais sinta afinidade.
Cultive a espontaneidade, sinceridade, amizade, alegria e prazer nas trocas afetivas. Deixe o sentimento fluir: "O amor faz bem ao coração".

XI - CENTRE-SE E EQUILIBRE-SE.
Todos os dias encontrem em tempo para esvaziar-se e estar consigo mesmo (pelo menos um banho prolongado e tranquilo). Use técnicas auxiliares como meditação, respiração e massagens para relaxamento.
Não seja escravo nem de si mesmo. Tenha férias! Contra o estresse, o período mínimo de férias é de 21 dias consecutivos. Tenha férias compatíveis com suas condições físicas, psíquicas e financeiras. Lembre-se: programas com muitos estímulos são prazerosos para quem está vitalizado. Não leve em sua bagagem de férias seu chefe, sua firma, companhias desgastantes, seu computador e outras malas sem alça.

XII - TENHA FÉ.
Uma situação, qualquer que seja, nunca é apenas boa ou ruim. Haverá sempre custos e benefícios. Quanto mais luz, mais sombra. Nunca se esqueça de que tudo é temporário. É muito importante preservar-se para a próxima etapa.
Você é único, o que te faz valioso. Confie em você mesmo e na ajuda cósmica.

Jornal Estado de Minas - Acely Gonçalves



domingo, 29 de julho de 2012

O que é Reforma Íntima e qual a melhor maneira de realizá-la?

           
  Reforma íntima parece ser um termo tipicamente espírita, desses que, quando são ditos, revela a identidade de quem disse para aqueles que lhe ouviram.
            Nos núcleos de estudos espíritas, os frequentadores mais antigos e principalmente os palestrantes espíritas estão tão acostumados com o termo que nunca se lembram que o mesmo pode ser desconhecido para os recém chegados, criando dúvida. A resposta a essa dúvida real motivou o texto abaixo.
            Antes, porém, quero reafirmar que não me configuro um porta voz do espiritismo, simplesmente exponho a minha opinião de estudante, na tentativa de responder a essas duas questões, o que é reforma íntima e qual a melhor maneira de realizá-la.
           
            A REFORMA ÍNTIMA é a reforma o nosso eu, nosso íntimo. É a mudança para melhor, é elevar-se na condição humana deixando de ser egocêntrico (que se considera o centro do universo) e se tornando altruísta. É trocar atitudes erradas por atitudes corretas, erros por acertos que um dia se tornarão virtudes.

            Aqui cabe uma nova pergunta. Porquê se fala tanto da necessidade de reforma íntima, no meio espírita?
No texto Os Bons Espíritas, item 4, capítulo XVII, de O Evangelho Segundo o Espiritismo, Allan Kardec diz “Reconhece-se o verdadeiro espírita por sua transformação moral e pelo esforço que faz para dominar suas más inclinações”. Ora, para vencer as más inclinações, deve-se trocar o errado pelo correto, isso é reforma íntima e é o objetivo de todos que se consideram espíritas.

Qual a melhor maneira de realizar a reforma íntima?

            No Evangelho Segundo o Espiritismo, Santo Agostinho nos dá uma pista, dizendo que o método utilizado por ele era, ao chegar a noite, repassar mentalmente os fatos ocorridos durante o dia e se perguntar se não teria feito mal a alguém, se fez todo o bem que poderia ter feito e assim definir novos padrões de conduta para si.
            O Exemplo de Santo Agostinho, que era estudioso de Platão e Sócrates, reflete uma frase escrita em uma parede reservada do templo grego de Delfos: “Conhece-te a ti mesmo”.
            Das diversas formas de se conhecer a si mesmo, talvez a descrita acima não lhe agrade tanto, vamos citar outra, proferida por Divaldo Franco em uma de suas palestras mais ou menos nesses termos.
            (…) Anote os erros que você tem e já percebe, faça uma lista (“aquele que se julga infalível está bem próximo de cometer uma falha.”). Escolha um desses erros para trabalhar (combater) durante a semana e vá combatendo um a um até que não mais existam e você possa enxergar outros.
            A base para a reforma íntima é o auto-conhecimento, quanto mais nos conhecermos maiores as chances de sucesso.

sábado, 28 de julho de 2012

O Trabalho do Médium

 Aqueles que não conhecem o funcionamento de um centro acreditam que todos os médiuns TÊM que se ligar aos espíritos para falar (psicofonia ou incorporação), escrever (psicografia), etc, contudo, isso é uma visão errada, pois nem todos os médiuns trabalham dessa forma. Alguns atendem na recepção de novos visitantes, outros auxiliam na administração interna, há os que trabalham na evangelização de crianças, existem inúmeras funções que não exigem a manifestação ostensiva da faculdade mediúnica e que nem por isso deixam de ser importantes.

Falaremos agora um pouco mais sobre o trabalho dos médiuns que utilizam sua faculdade em favor do próximo.
A importância da mediunidade foi definida de forma clara por Allan Kardec no Livro dos Médiuns:
"Com que fim a Providência outorgou de maneira especial, a certos indivíduos, o dom da mediunidade?
É uma missão de que se incumbiram e cujo desempenho os faz ditosos. São os intérpretes dos Espíritos com os homens.
13ª Entretanto, médiuns há que manifestam repugnância ao uso de suas
faculdades.
São médiuns imperfeitos; desconhecem o valor da graça que lhes é concedida.
14ª Se é uma missão, como se explica que não constitua privilégio dos homens de bem e que semelhante faculdade seja concedida a pessoas que nenhuma estima merecem e que dela podem abusar?
A faculdade lhes é concedida, porque precisam dela para se melhorarem, para ficarem em condições de receber bons ensinamentos. Se não aproveitam da concessão, sofrerão as conseqüências. Jesus não pregava de preferência aos pecadores, dizendo ser preciso dar àquele que não tem?
15ª As pessoas que desejam muito escrever como médiuns, e que não o
conseguem, poderão concluir daí alguma coisa contra si mesmas, no tocante à benevolência dos Espíritos para com elas?
Não, pois pode dar-se que Deus lhe haja negado essa faculdade, como negado tenha o dom da poesia, ou da música. Porém, se não forem objeto desse favor, podem ter sido de outros."
O trabalho mediúnico é o início de uma nova fase para o médium, depois de ter passado por um tratamento espiritual, assistido a palestras, ele incorpora a equipe de aprendizes de um centro, estudando e “treinando a sua mediunidade”. Um dia, quando menos espera ele começa a recepcionar pessoas, depois é escalado para dar passes, depois de alguma experiência pode passar a trabalhar com psicografia ou participar de reuniões de desobsessão, cada um vai trilhar seu caminho e chegar no exercício para que foi preparado PELA ESPIRITUALIDADE. Geralmente os diferentes tipos de trabalho que realiza embasam seu conhecimento, fortalecendo sua confiança e o preparam para a tarefa que realizará.
Muitos terão uma vida simples e sem muito destaque em uma casa, outros terão grande importância, contudo, isso não importa, muitas vezes o irmão que mais aparece é o que terá mais desafios, ou que será mais exigido, ou que tem a prova mais dura, ou seja, não importa, para Deus o amor que dedica a seu trabalho é o mais importante.
No reino dos céus os pequenos se tornam gigantes!!

Equilíbrio Interior
Para exercer o trabalho mediúnico o médium deve sempre buscar o equilíbrio e a harmonia, pois somente assim poderá servir de canal para a luz da espiritualidade superior.
Segue abaixo trechos do livro Missionários da Luz de Chico Xavier:
"Preliminarmente, devemos reconhecer que, nos serviços mediúnicos, preponderam os fatores morais. Neste momento, o médium, para ser fiel ao mandato superior, necessita clareza e serenidade, como o espelho cristalino dum lago. De outro modo, as ondas de inquietude perturbariam a projeção de nossa espiritualidade sobre a materialidade terrena, como as águas revoltas não refletem as imagens sublimes do céu e da Natureza ambiente.
...
- Acredita que o intermediário - perguntou - possa improvisar o estado receptivo? De nenhum modo. A sua preparação espiritual deve ser incessante. Qualquer incidente pode perturbar-lhe o aparelhamento sensível, como a pedrada que interrompe o trabalho da válvula receptora. Além disso, a nossa cooperação magnética é fundamental para a execução da tarefa. Examine atentamente. Estamos notando as singularidades do corpo perispiritual. Pode reconhecer, agora, que todo centro glandular é uma potência elétrica. No exercício mediúnico de qualquer modalidade, a epífise desempenha o papel mais importante. Através de suas forças equilibradas, a mente humana intensifica o poder de emissão e recepção de raios peculiares à nossa esfera. É nela, na epífise, que reside o sentido novo dos homens; entretanto, na grande maioria deles, a potência divina dorme embrionária."
O médium deve evitar lugares com excessiva carga negativa, optando sempre por ambientes arejados, impregnados de natureza, como praias, cachoeiras e lugares ermos, onde poderá meditar e se revitalizar.

 Dificuldades
 
O médium é na grande maioria das vezes um espírito em débito e por isso está sujeito a passar por dificuldades durante seu trabalho de amor ao próximo, contudo, longe de tornar impossível sua obra, os percalços enchem sua história de luz.
André Luiz nos traz uma reflexão sobre a mediunidade e suas dificuldades no livro Nos Domínios da Mediunidade.
" - Não podemos realizar qualquer estudo de faculdades medianímicas, sem o estudo da personalidade. Considero, assim, de extrema importância a apreciação dos centros cerebrais, que representam bases de operação do pensamento e da vontade, que influem de modo compreensível em todos os fenômenos mediúnicos, desde a intuição pura à materialização objetiva. Esses recursos, que merecem a defesa e o auxílio das entidades sábias e benevolentes, em suas tarefas de amor e sacrifício junto dos homens, quando os medianeiros se sustentam no ideal superior da bondade e do serviço ao próximo, em muitas ocasiões podem ser ocupados por entidades inferiores ou animalizadas, em lastimáveis processos de obsessão.
— Mas — interpôs Hilário, judicioso —, diante de um campo cerebral tão iluminado quanto o de nossa irmã Celina, será lícitõ aceitar a possibilidade de invasão dele por parte de Inteligências menos evolvidas? Será cabível semelhante retrocesso?
— Não podemos olvidar — considerou o Assistente — que Celina se encontra encarnada numa prova de longo curso e que, nos encargos de aprendiz, ainda se encontra muito longe de terminar a lição.
Meditou um momento e filosofou bem-humorado:
— Numa viagem de cem léguas podem ocorrer muitas surpresas no derradeiro quilômetro do caminho.
Logo após, colocando a destra paternal sobre a fronte da médium, prosseguiu:
— Nossa irmã vem atravessando os seus testemunhos de boa-vontade, fé viva, caridade e paciência. Tanto quanto nós, ainda não possui plena quitação com o passado. Somos vasta legião de combatentes em vias de vencer os inimigos que nos povoam a fortaleza íntima ou o mundo de nós mesmos, inimigos simbolizados em nossos velhos hábitos de convívio com a natureza inferior, a nos colocarem em sintonia com os habitantes das sombras, evidentemente perigosos ao nosso equilíbrio. Se nossa amiga Celina, quanto qualquer de nós, abandonar a disciplina a que somos constrangidos para manter a boa forma na recepção da luz, rendendo-se às sugestões da vaidade ou do desânimo, que costumamos fantasiar como sendo direitos adquiridos ou injustificável desencanto, decerto sofrerá o assédio de elementos destrutivos que lhe perturbarão a nobre experiência atual de subida. Muitos médiuns se arrojam a prejuízos dessa ordem. Depois de ensaios promissores e começo brilhante, acreditam-se donos de recursos espirituais que lhes não pertencem ou temem as aflições prolongadas da marcha e recolhem-se à inutilidade, descendo de nível moral ou conchegando-se a improdutivo repouso, porqüanto retomam inevitavelmente a cultura dos impulsos primitivos que o trabalho incessante no bem os induziria a olvidar.
E sorrindo:
— Ainda não chegamos à vitória suprema sobre nós mesmos. Achamo-nos na condição do solo terrestre, que não prescinde do arado protetor ou da enxada prestimosa, a fim de produzir. Sem os instrumentos do trabalho e da luta, aperfeiçoando-nos as possibilidades, estaríamos permanentemente ameaçados pela erva daninha que mais se alastra e se afirma, tanto quanto melhor é a qualidade do trato de terra em abandono.
Fitando-nos, de frente, como a recordar o peso das responsabilidades de que nos investíamos, completou:
— Nossas realizações espirituais do presente são pequeninas réstias de claridade sobre as pirâmides de sombra do nosso passado. É imprescindível muita cautela com as sementeiras do bem para que a ventania do mal não as arrase. É por isso que a tarefa mediúnica, examinada como instrumentação para a obra das Inteligências superiores, não é tão fácil de ser conduzida a bom termo, de vez que, contra o canal ainda frágil que se oferece à passagem da luz, acometem as ondas pesadas de treva da ignorância, a se agitarem, compactas, ao nosso derredor."



 Precauções
 
Copio abaixo a advertência de Allan Kardec no Livro dos Médiuns:
"Uma vez desenvolvida a faculdade, é essencial que o médium não abuse
dela. O contentamento que daí advém a alguns principiantes lhes provoca um entusiasmo, que muito importa moderar. Devem lembrar-se de que ela lhes foi dada para o bem e não para satisfação de vã curiosidade. Convém, portanto, que só se utilizem dela nas ocasiões oportunas e não a todo momento. Não lhes estando os Espíritos ao dispor a toda hora, correm o risco de ser enganados por mistificadores. Bom é que, para evitarem esse mal, adotem o sistema de só trabalhar em dias e horas determinados, porque assim se entregarão ao trabalho em condições de maior recolhimento e os Espíritos que os queiram auxiliar, estando prevenidos, se disporão melhor a prestar esse auxílio."


  Conseqüências do Trabalho Mediúnico para os Médiuns
 
O trabalho mediúnico pode gerar um desgaste para o médium, porém isso depende do tipo de reunião que ele freqüenta. Repousando de forma correta o médium refaz suas energias, contudo, ele deve estar sempre atento a uma alimentação equilibrada e evitar uma vida sedentária.
Médiuns que trabalham em reuniões de desobsessão não devem participar de mais de duas sessões semanais.
Os médiuns que trabalham doando energia (passes, reuniões de cura, etc) devem se preocupar com o descanso e alimentação antes e depois da reunião, para não sentirem nenhum desgaste físico.
Os mentores sempre auxiliam os médiuns, harmonizando seus veículos físicos (corpo físico e duplo etérico) e astral para realização do trabalho espiritual, contudo, é imprescindível que o médium faça sua parte, não podemos achar que os mentores vão fazer com que possamos trabalhar após uma noite sem dormir, ou doentes.
Os que trabalham se ligando a espíritos sofredores em reuniões de obsessão precisam estar sempre equilibrados para não sofrerem o impacto das energias opressivas, mesmo com a presença dos mentores a ascendência moral e a força de vontade do médium são necessárias para "domar" o espírito que será doutrinado.
Copio abaixo um trecho do livro Nos Domínios da Mediunidade, que fala sobre a proteção do médium nas reuniões de desobsessão:
"Reparei-lhe a luminosa auréola, contrastando com a vestimenta pestilencial do forasteiro, e deixei-me avassalar por incoercível temor.
Semelhante providência não seria o mesmo que entregar uma harpa delicada às patas de uma fera?
Aulus, porém, deu-se pressa em explicar-nos:
— Acalmem-se, O amigo dementado penetrou o templo com a supervisão e o consentimento dos mentores da casa. Quanto aos fluidos de natureza deletéria, não precisamos temê-los. Recuam instintivamente ante a luz espiritual que os fustiga ou desintegra. É por isso que cada médium possui ambiente próprio e cada assembléia se caracteriza por uma corrente magnética particular de preservação e defesa. Nuvens infecciosas da Terra são diariamente extintas ou combatidas pelas irradiações solares, e formações fluídicas, inquietantes, a todo momento são aniquiladas ou varridas do Planeta pelas energias superiores do Espírito. Os raios luminosos da mente orientada para o bem incidem sobre as construções do mal, à feição de descargas elétricas. E, compreendendo-se que mais ajuda aquele que mais pode, nossa irmã Celina é a companheira ideal para o auxílio desta hora."


 Proteção dos Médiuns
 
Os médiuns que trabalham em um centro espírita e se dedicam a auxiliar o próximo recebem apoio de equipes especializadas, que fazem o que podem para auxiliá-lo. Dependendo da sua tarefa e da dedicação que necessita, os amigos espirituais podem intercedem mais ou menos.
Podemos comparar a um atleta, que precisa de treino, alimentação, fisioterapia, etc, da mesma forma um médium que trabalha em um centro precisa estar "em forma espiritual" para servir de intermediário do mundo espiritual.
Lembramos que essas equipes não podem realizar o esforço de equilíbrio que é responsabilidade do próprio médium, por isso é indicado para o médium realizar em seu lar a reunião semanal do Evangelho, sempre no mesmo dia e hora ele deve buscar nas palavras de Jesus o entendimento maior sobre a vida. Dessa forma ele protegerá o seu lar e sua família contra energias hostis, pois não existe proteção maior no mundo que a evangelização do coração. Os espíritos amigos também freqüentam as reuniões de evangelho no lar, limpando o ambiente doméstico e afastando espíritos inferiores.
Abaixo segue um trecho do livro Obreiros da Vida Eterna, de Chico Xavier, que fala um pouco mais sobre as equipes espirituais que apóiam os médiuns:
"Sempre tive por Dimas sincera admiração, pelo proveitoso concurso que soube oferecer-nos. Integro a comissão espiritual de serviço que vem atendendo aos necessitados, por intermédio dele, nos últimos seis anos. Foi sempre assíduo nas obrigações, bom companheiro, leal irmão.
Surpreso com as referências, indaguei:
— Há, desse modo, comissões de colaboração permanente para os médiuns em geral?
— Não me reporto à generalidade — redarguiu o interlocutor —, porque a mediunidade é título de serviço como qualquer outro. E há pessoas que pugnam pela obtenção dos títulos, mas desestimam as obrigações que lhes correspondem. Gostariam, por certo, do intercâmbio com o nosso plano, mas, não cogitam de finalidades e responsabilidades. Em vista disso não se estabelecem conjuntos de cooperação para os médiuns em geral, mas apenas para aqueles que estejam dispostos ao trabalho ativo. Há muitos aprendizes que não ultrapassam a fronteira da tentativa, da observação. Desejariam o caminho bem aplainado, exigindo a convivência exclusiva dos Espíritos genuinamente bondosos. Experimentam a luta construtiva, através de sondagens superficiais e, à primeira dificuldade, abandonam compromissos assumidos. A aquisição da fortaleza moral não prescinde das provas arriscadas e angustiosas. Entretanto, em face das exigências naturais do aprendizado, dizem-se feridos na dignidade pessoal. Não suportam a aproximação de infelizes encarnados ou desencarnados, estacionando à menor picada de dor. Para semelhantes experimentadores, seria extremamente difícil a formação de equipes eficientes, representativas de nosso plano. Não se sabe quando estão dispostos a servir. Se recebem faculdades intuitivas, pedem a incorporação; se contam com a vidência, querem a possibilidade de exteriorizar fluidos vitais para os fenômenos de materialização."


 Médiuns de Terreiro(Umbanda) e Kardecistas (Mesa)
 
Não existe dúvida que a forma de trabalhar em um templo de Umbanda e um centro Espírita são bastante diferentes, contudo, cada uma tem um objetivo, atendendo a preferências pessoais. O erro que existe é achar que uma é melhor que a outra. Copio abaixo trechos do livro Aruanda, de Robson Pinheiro, onde o sábio Preto-Velho nos fala um pouco sobre a mediunidade na Umbanda e os espíritos que nela trabalham.
"Ainda a velha questão da vibração, meu filho - respondeu Pai João. - Ocorre com os espíritos algo semelhante ao que há com os médiuns: alguns reencarnam com o psiquismo e a vibração apropriada para os trabalhos de terreiro, enquanto outros são preparados vibratoriamente para a mesa kardecista. com os espíritos não é diferente. Muitos deles oferecem a possibilidade de serem socorridos através do diálogo fraterno ou terapia espiritual, que despertará suas mentes para as leis da vida; portanto, demonstram predisposição para uma sessão espírita. Mas nem todos são iguais; há aqueles que não têm o perfil psicológico e espiritual necessário. Precisam do impacto anímico-mediúnico dos chamados médiuns de terreiro, com os quais encontram maior afinidade. Nesse contato intenso com o ectoplasma exsudado pelos médiuns umbandistas, ganham tratamento especializado, que funciona como uma terapia de choque. O mesmo ocorre entre os encarnados, quanto à questão terapêutica. Alguns de meus filhos no plano físico respondem integralmente ao tratamento homeopático, pois trazem em seu psiquismo as vibrações compatíveis com o medicamento dinamizado. Outros, que possuem estado vibracional diferente, só respondem aos métodos convencionais da alopatia. Há ainda aqueles que respondem significativamente às influências energéticas do reiki, dos passes ou dos medicamentos florais, por exemplo.
...
Em casos como o que acompanhamos. Ângelo, não existe uma forma melhor que a outra. Nem o método espírita é o melhor, nem a metodologia umbandista é mais forte e eficaz. Tudo depende das características de
cada caso, de qual tipo de entidade está envolvido no processo e. enfim, do tipo psicológico e das necessidades espirituais de cada uma delas. Em uma tenda umbandista cujos médiuns se dedicam à caridade, ao estudo sério e elevado, teremos excelente material psíquico para certos trabalhos de desobsessão ou terapia espiritual. Em um centro espírita cujos médiuns não se preparam convenientemente, não se dedicam ao estudo e têm as idéias comprometidas com uma visão estreita e acanhada da vida espiritual, naturalmente careceremos de material psíquico de qualidade para as terapia espirituais. Dessa forma, é preciso compreender que a eficácia do método depende de diversas coisas, mas principalmente do preparo dos
operadores ou da equipe mediúnica, e não da confissão religiosa, como muitos pensam.
...
A distância, as divergências ou as separações que se vêem entre as diferentes formas de trabalho são, em grande parte vezes, estabelecidas pelos encarnados, que trazem ainda resquícios de preconceito religioso e racial. Do lado de cá da vida, ao contrário, somos apenas filhos de Deus, todos parceiros na construção de sua obra; não há partidarismo religioso. Tanto faz para um espírito elevado atuar como pai-velho numa tenda umbandista humilde ou escrever a orientação psicografada sob a luz do espiritismo cristão, desde que seu trabalho seja em benefício da humanidade e do próximo."


7.7  Médiuns Mercenários
"O médium, em suma, deve evitar tudo o que possa transformá-lo em agente de consultas, o que, aos olhos de muitas pessoas, é sinônimo de ledor da "buena-dicha".
                                                    Allan Kardec – Livro dos Médiuns
Chamamos de médiuns mercenários aqueles que utilizam suas aptidões para algum tipo de benefício próprio, recebendo “recompensas” pelo seu contato com o mundo espiritual.
Allan Kardec chama esse médiuns de interesseiros e informa que qualquer tipo de retribuição é desaconselhada:
"Médiuns interesseiros não são apenas os que porventura exijam uma retribuição fixa; o interesse nem sempre se traduz pela esperança de um ganho material, mas também pelas ambições de toda sorte, sobre as quais se fundem esperanças pessoais. E esse um dos defeitos de que os Espíritos zombeteiros sabem muito bem tirar partido e de que se aproveitam com uma habilidade, uma astúcia verdadeiramente notáveis, embalando com falaciosas ilusões os que desse modo se lhes colocam sob a dependência. Em resumo, a mediunidade é uma faculdade concedida para o bem e os bons Espíritos se afastam de quem pretenda fazer dela um degrau para chegar ao que quer que seja, que não corresponda às vistas da Providência. O egoísmo é a chaga da sociedade; os bens Espíritos a combatem; a ninguém, portanto, assiste o direito de supor que eles o venham servir. Isto é tão racional, que inútil fora insistir mais sobre este ponto."
Uma característica comum desses irmãos é a falta de estudo sobre a mediunidade, as formas de comunicação, suas conseqüências e principalmente os perigos da obsessão (todos eles se tornam vítimas da obsessão). Todos aqueles que lerem o Livro dos Médiuns poderão comprovar que Allan Kardec repete várias e várias vezes a necessidade de vigilância para não se tornar vítima da fascinação e subjugação.
A maioria tem grandes aptidões mediúnicas e por isso tem contato intenso com os espíritos que os acompanham, contudo, seja por preguiça ou ansiedade eles não realizam a necessária preparação moral, mental e emocional para exercer tão sagrada tarefa.
Vamos falar um pouco sobre como isso começa, se desenvolve e termina...
No início o médium entra em contato com o plano espiritual e, por motivação própria ou influenciado por espíritos inferiores acredita que pode resolver o problema dos outros, só de favor ou até recebendo uma pequena ajudinha. Assim começam sozinhos ou auxiliados por algum médium desvirtuado a aprender como utilizar sua mediunidade.
Por motivos óbvios os mentores começam a perder o contato com os médiuns e os espíritos inferiores que o circundavam se tornam cada vez mais afins, iniciando assim dois processos: o de afinamento mediúnico e obsessivo. Os espíritos de baixo padrão não desejam somente se ligar aos médiuns, seus principais objetivos são a subjugação, fascinação e vampirização de energias vitais.
Todos, sem exceção, recebem em algum momento advertências sobre o tipo de trabalho que realizam e seus perigos, contudo, a grande maioria ignora os avisos e cada vez mais se ligam aos seus novos "amiguinhos".
Os novos "diretores" do médium fazem o possível para fasciná-lo com símbolos, figuras, nomes pomposos, etc... são inúmeras formas diferentes de subjugar o médium.
André Luiz nos traz um exemplo perfeito de um médium fascinado pelo seu obsessor:
"Observando os beberrões, cujas taças eram partilhadas pelos sócios que lhes eram invisíveis, Hilário recordou:
— Ontem, visitamos um templo, em que desencarnados sofredores se exprimiam por intermédio de criaturas necessitadas de auxílio, e ali estudamos algo sobre mediunidade... Aqui, vemos entidades viciosas valendo-se de pessoas que com elas se afinam numa perfeita comunhão de forças superiores... Aqui, tanto quanto lá, seria lícito ver a mediunidade em ação?
— Sem qualquer dúvida — confirmou o orientador —; recursos psíquicos, nesse ou naquele grau de desenvolvimento, são peculiares a todos, tanto quanto o poder de locomoção ou a faculdade de respirar, constituindo forças que o Espírito encarnado ou desencarnado pode empregar no bem ou no mal de si mesmo. Ser médium não quer dizer que a alma esteja agraciada por privilégios ou conquistas feitas. Muitas vezes, é possível encontrar pessoas altamente favorecidas com o dom da mediunidade, mas dominadas, subjugadas por entidades sombrias ou delinqüentes, com as quais se afinam de modo perfeito, servindo ao escândalo e à perturbação, em vez de cooperarem na extensão do bem. Por isso é que não basta a mediunidade para a concretização dos serviços que nos competem. Precisamos da Doutrina do Espiritismo, do Cristianismo Puro, a fim de controlar a energia medianímica, de maneira a mobilizá-la em favor da sublimação espiritual na fé religiosa, tanto quanto disciplinamos a eletricidade, a benefício do conforto na Civilização.
Nisso, Aulus relanceou o olhar pelos aposentos reservados mais próximos, qual se já os conhecesse, e, fixando certa porta, convidou-nos a atravessá-la.
Seguimo-lo, ombro a ombro.
Em mesa lautamente provida com fino conhaque, um rapaz, fumando com volúpia e sob o domínio de uma entidade digna de compaixão pelo aspecto repelente em que se mostrava, escrevia, escrevia, escrevia...
— Estudemos — recomendou o orientador.
O cérebro do moço embebia-se em substância escura e pastosa que escorria das mãos do triste companheiro que o enlaçava.
Via-se-lhes a absoluta associação na autoria dos caracteres escritos.
A dupla em trabalho não nos registrou a presença.
— Neste instante — anunciou Aulus, atencioso —, nosso irmão desconhecido é hábil médium psicógrafo. Tem as células do pensamento integralmente controladas pelo infeliz cultivador de crueldade sob a nossa vista. Imanta-se-lhe à imaginação e lhe assimila as idéias, atendendo-lhe aos propósitos escusos, através dos princípios da indução magnética, de vez que o rapaz, desejando produzir páginas escabrosas, encontrou quem lhe fortaleça a mente e o ajude nesse mister.
Imprimindo à voz significativa expressão, ajuntou:
— Encontramos sempre o que procuramos ser. Finda a breve pausa que nos compeliu à reflexão, Hilário recomeçou:
— Todavia, será ele um médium na acepção real do termo? Será peça ativa em agrupamento espírita comum?
— Não. Não está sob qualquer disciplina espiritualizante. É um moço de inteligência vivaz, sem maior experiência da vida, manejado por entidades perturbadoras."
Muitos médiuns mercenários acabam utilizando suas aptidões como forma de sobrevivência, cobrando por consultas, favores, para trazer pessoa amada, para prejudicar outras pessoas, para "tentar" prever o futuro, etc...
A previsão do futuro é uma dos maiores atrativos para que os menos avisados se vinculem a esse tipo de médium, por isso retiramos um trecho do livro dos médiuns que explora esse assunto:
"Podem os Espíritos dar-nos a conhecer o futuro?
Se o homem conhecesse o futuro, descuidar-se-ia do presente.
É esse ainda um ponto sobre o qual insistis sempre, no desejo de obter uma resposta precisa. Grande erro há nisso, porquanto a manifestação dos Espíritos não é um meio de adivinhação. Se fizerdes questão absoluta de uma resposta, recebê-la-eis de um Espírito doidivanas, temo-lo dito a todo momento." (Veja-se O Livro dos Espíritos - "Conhecimento do futuro", n. 868.)
8ª Não é certo, entretanto, que, às vezes, alguns acontecimentos futuros sãoanunciados espontaneamente e com verdade pelos Espíritos?
Pode dar-se que o Espírito preveja coisas que julgue conveniente revelar, ou que ele tem por missão tornar conhecidas; porém, nesse terreno, ainda são mais de temer os Espíritos enganadores, que se divertem em fazer previsões. Só o conjunto das circunstâncias permite se verifique o grau de confiança que elas merecem.
9ª De que gênero são as previsões de que mais se deve desconfiar?
Todas as que não tiverem um fim de utilidade geral. As predições pessoais podem quase sempre ser consideradas apócrifas."
Existem também aqueles que vão até as consultas espirituais para buscar conselhos, falar sobre seus problemas pessoais, Allan Kardec nos traz sérias advertências sobre esse tipo de comunicação:
"Podem pedir-se conselhos aos Espíritos?
Certamente. Os bons Espíritos jamais recusam auxílio aos que os invocam com
confiança, principalmente no que concerne à alma. Repelem, porém, os hipócritas, os que simulam pedir a luz e se comprazem nas trevas.
18ª Podem os Espíritos dar conselhos sobre coisas de interesse privado?
Algumas vezes, conforme o motivo. Isso também depende daqueles a quem tais conselhos são pedidos. Os que se relacionam com a vida privada são dados com mais exatidão pelos Espíritos familiares, que são os que se acham mais ligados à pessoa que os pede e se interessam pelo que lhes diz respeito; é o amigo, 'o confidente dos vossos mais secretos pensamentos. Mas, é tão freqüente os cansardes com perguntas banais, que eles vos deixam. Tão absurdo fora perguntardes, sobre coisas íntimas, Espíritos que vos são estranhos, como seria o vos dirigirdes, para isso, ao primeiro indivíduo que encontrásseis no vosso caminho. Jamais deveríeis esquecer que a puerilidade das perguntas é incompatível com a superioridade dos Espíritos. Preciso igualmente é leveis em conta as qualidades do Espírito familiar, que pode ser bom, ou mau, conforme suas simpatias pela pessoa a quem se ligue. O Espírito familiar de um homem mau é mau Espírito, cujos conselhos podem ser perniciosos, mas que se afasta e cede o lugar a um Espírito melhor, se o próprio homem se melhora. Unem-se os que se assemelham.
19ª Podem os Espíritos familiares favorecer os interesses materiais por meio de revelações?
Podem e algumas vezes o fazem, de acordo com as circunstâncias; mas, ficai
certos de que os bons Espíritos nunca se prestam a servir à cupidez. Os maus vos fazem brilhar diante dos olhos mil atrativos, a fim de vos espicaçarem e, depois, mistificarem, pela decepção. Ficai também sabendo que, se é da vossa prova passar por tal ou tal vicissitude, os vossos Espíritos protetores poderão ajudar-vos a suportá-la com mais resignação, poderão mesmo, às vezes, suavizá-la; mas, no próprio interesse do vosso futuro, não lhes é lícito isentar-vos dela. Um bom pai não concede ao filho tudo o que este deseja.
NOTA. Os nossos Espíritos protetores podem, em muitas circunstâncias,
indicar-nos o melhor caminho, sem, entretanto, nos conduzirem pela mão, porque, se assim fizessem, perderíamos o mérito da iniciativa e não ousaríamos dar um passo sem a eles recorrermos, com prejuízo do nosso aperfeiçoamento. Para progredir, precisa o homem, muitas vezes, adquirir experiência à sua própria custa. Por isso é que os Espíritos ponderados nos aconselham, mas quase sempre nos deixam entregues às nossas próprias forças, como faz o educador hábil, com seus alunos. Nas circunstâncias ordinárias da vida, eles nos aconselham pela inspiração, deixando-nos assim todo o mérito do bem que façamos, como toda a responsabilidade do mal que pratiquemos.
Fora abusar da condescendência dos Espíritos familiares e equivocar-se quanto à missão que lhes cabe o interrogá-los a cada instante sobre as coisas mais vulgares, como o fazem certos médiuns. Alguns há que, por um sim, por um não, tomam o lápis e podem conselho para o ato mais simples. Esta mania denota pequenez nas idéias, ao mesmo tempo que a presunção de supor, quem quer que seja, que tem sempre um Espírito servidor às suas ordens, sem outra coisa mais a fazer senão cuidar dele e dos seus mínimos interesses. Além disso, quem assim procede aniquila o seu próprio juízo e se reduz a um papel passivo, sem utilidade para a vida presente e indubitavelmente prejudicial ao adiantamento futuro. Se há puerilidade em interrogarmos os Espíritos sobre coisas fúteis, menos puerilidade não há da parte dos Espíritos que se ocupam espontaneamente com o que se pode chamar - negócios caseiros. Em tal caso, eles poderão ser bons, mas, inquestionavelmente, ainda são muito terrestres."
Bom, as expectativas espirituais desses médiuns não são boas e vamos avaliar porque:
1. Ele cobra por uma aptidão que recebeu de graça e como um favor para auxiliar o próximo e acelerar sua própria evolução.
2. Muitos fazem trabalhos para prejudicar o próximo, criando comprometimentos cármicos.
3. Divulgam de forma errada a doutrina dos espíritos.
4. Alguns desvirtuam outros médiuns.
5. Se ligam a espíritos trevosos, que além de vampirizá-los acreditam que tem direito de receber pelos favores espirituais que realizam, por isso, após o desencarne do médium mercenário ele se torna escravo daquele falso mentor que o acompanhou. Somente após muito tempo sofrendo e aprendendo ele poderá ser socorrido pelas colônias espirituais, e então recomeçar seu caminho de luz, tentando quitar os débitos contraídos pela sua irresponsabilidade.
Allan Kardec no Livro dos Médiuns relata a resposta de um espírito sobre as conseqüências do mau uso da mediunidade:
"Os médiuns, que fazem mau uso das suas faculdades, que não se servem delas para o bem, ou que não as aproveitam para se instruírem, sofrerão as conseqüências dessa falta?
Se delas fizerem mau uso, serão punidos duplamente, porque têm um meio a mais de se esclarecerem e o não aproveitam. Aquele que vê claro e tropeça é mais censurável do que o cego que cai no fosso."

 A mediunidade e as Religiões 
Existe um conflito muito grande no coração das pessoas que têm a sensibilidade mediúnica e não são adeptas de reuniões espiritualistas.
Esses médiuns sofrem bastante porque têm medo de contar o que sentem, já que muitos não aceitarão, possivelmente zombarão dele ou pensarão coisas ruins, como por exemplo a falta de fé ou indício de loucura.
A mediunidade não é exclusividade das filosofias espiritualistas, muitos padres, pastores e líderes filosóficos e religiosos são grandes médiuns, embora, infelizmente, alguns se liguem a entidades do astral inferior.
Muitos médiuns já relataram que viram próximos à palestrantes de religiões não espiritualistas espíritos de luz. Lembre-se que o contato espiritual tem como objetivo a evolução espiritual da humanidade, isso não é exclusividade do Espiritismo ou qualquer outra religião espiritualista.
E o que fazer então??
Vou iniciar a resposta com o exemplo de uma querida e amada amiga, que conheci em um grupo de estudos do Evangelho.
Ela é praticante FERVOROSA de uma filosofia não espiritualista e um dia, ao olhar para o palestrante, que estava muito inspirado, notou que a sua volta existiam faíscas de luz, ela piscava, balançava a cabeça e isso continuava, e continuou ocorrendo, mais de uma vez.
Ao invés de se apavorar ela foi buscando maiores informações e acabou encontrando esse grupo de estudos, que utiliza a série de Carlos Torres Pastorino – Sabedoria do Evangelho. Nesse grupo ela recebeu os primeiros ensinamentos espiritualistas e passou a entender um pouco mais sobre o mundo espiritual.
E aí vem a segunda maior dúvida... Ela largou sua religião??
A resposta é não, ela adora os cantos, as reuniões, as pessoas que freqüentam, aquilo faz bem a ela, não atrapalha. Deus e os espíritos superiores jamais poderiam exigir que você largasse um grupo que só faz o bem e busca vivenciar os ensinamentos de Jesus.
Acho que o exemplo responde tudo, se você é praticante de outra religião não espiritualista e tem dúvidas sobre as sensações espirituais que lhe acometem então procure uma pessoa amiga espírita ou leia o livro dos espíritos e o livro dos médiuns, achará muitas respostas nesses livros. Nunca pense que estudar sobre a espiritualidade diminuirá sua fé ou fará com que você mude de religião. Temos vários exemplos de pessoas que largaram religiões espiritualistas para freqüentar religiões que não acreditam na reencarnação e na vida além-túmulo, com disse antes é uma questão de afinidade, porém o conhecimento é importante, compreender a Verdade é muito importante, para todos!!
O conhecimento das verdades espirituais não atrapalha, só completa.


Mediunidade Natural e de Prova 
 
Basicamente falaremos nesse tópico sobre a diferença entre o médium que recebe a concessão espiritual de encarnar com hipersensibilidade e o espírito evoluído, que já conquistou essa sensibilidade por esforço próprio.
Vamos começar com exemplos de médiuns naturais para depois passar a explicação:
•  João Batista – recebe naturalmente mensagens espirituais, no evangelho existem várias passagens que atestam seu alto grau de evolução e as próprias revelações espirituais que tem contato. O próprio Jesus revela que João Batista é o maior entre os nascido de mulher, ou seja, ele não alcançou a perfeição, mas já é grande no reino dos céus.
• Buda – Mestre Iluminado que encarnou na Terra, ele tinha acesso às suas encarnações anteriores e também das pessoas que se aproximavam.
•  Jesus – O ser mais evoluído, mais perfeito que já encarnou em nosso planeta. Todas as faculdades mediúnicas eram perfeitas. O contato espiritual de Jesus era como água cristalina, não havia ruído ou imperfeição, não existia medo ou receio, a entrega e confiança eram completas. Existem várias passagens no Novo Testamento que mostram a perfeição espiritual do Mestre Nazareno.
Vamos voltar no tempo e falar um pouco sobre o médium de prova antes da atual encarnação.
Espírito endividado com as leis divinas, decide trabalhar no mundo espiritual, ajudando o próximo, adquire grandes amizades e conquista merecimentos, contudo, seu passado aflora como um vulcão, sua consciência não consegue ficar totalmente tranqüila, pois dentro de si sente ainda as marcas do passado.
Graças ao bem praticado no mundo espiritual ele pode optar por nascer médium, ou seja, através de intercessões antes da encarnação, os técnicos da espiritualidade hipersensibilizarão seus veículos para poder entrar em contato com o plano espiritual de forma mais intensa do que normalmente faria em seu atual estado evolutivo.
Para não se tornar uma presa dos espíritos inferiores o espírito reencarnante recebe o apoio e proteção do(s) Guia(s) ou Mentor(es) Espiritual(ais), que se compromete(m) a auxiliá-lo para trabalharem juntos a favor do próximo.
O que podemos concluir então... o Médium de Prova não tem evolução suficiente para INICIALMENTE controlar sua sensibilidade espiritual e precisa de um guia, para protegê-lo e ajudá-lo no trabalho que irá realizar.
O médium de prova precisará então de aprimoramento, estudo e muita força de vontade, porque terá que dominar algo que desconhece. Esse descontrole é bem conhecido dos médiuns, pois a grande maioria busca ajuda quando fica totalmente desnorteado.
Falemos sobre o médium natural antes de encarnar...
O médium natural encarna com uma missão, seja ela pelo bem da humanidade, de uma grupo ou de um espírito. A própria encarnação que realiza é um ato de amor ao próximo porque a grande maioria não precisa encarnar ou pode escolher exatamente como deseja voltar.
Ele também recebe o auxílio dos espíritos, mas não por suas imperfeições e sim pela dificuldade da tarefa ou importância.
O afloramento da mediunidade ocorre nele de forma tranqüila e seu contato com o mundo espiritual é "natural", é claro que ele também precisa se aprimorar, contudo, é totalmente diferente do médium de prova. Na verdade um afina o instrumento, enquanto o outro aprende a manuseá-lo.
Esse tópico é muito importante para podemos concluir:
•  Dificilmente você é um médium natural, por isso busque a humildade, porque dificilmente os médiuns naturais acham que são perfeitos.
•  Se você é médium não se ache melhor que os outros, aliás, na maioria das vezes é o contrário, você teve essa faculdade como oportunidade de resgatar erros e crescer.
•  Se você não é médium tenha paciência com os que são médiuns, pois eles também estão evoluindo e podem cometer erros.
•  Embora o médium de prova não possua a faculdade e seja (na grande maioria das vezes) um espírito endividado, se ele concluir sua tarefa com sucesso terá conseguido crescer espiritualmente e também resgatar débitos. A faculdade espiritual que recebeu por hipersensibilização se tornará natural ou quase e a facilidade de dominá-la em um encarnação posterior será infinitamente maior.
Retiramos um trecho interessante do livro Nos Domínios da Mediunidade, de Chico Xavier:
"O círculo de percepção varia em cada um de nós. Há diferentes gêneros de mediunidade; contudo, importa reconhecer que cada Espírito vive em determinado degrau de crescimento mental e, por isso, as equações do esforço mediúnico diferem de indivíduo para indivíduo, tanto quanto as interpretações da vida se modificam de alma para alma. As faculdades medianímicas podem ser idênticas em pessoas diversas, entretanto, cada pessoa tem a sua maneira particular de empregá-las. Um modelo, em muitas ocasiões, é o mesmo para grande assembléia de pintores, todavia, cada artista fixá-lo-á na tela a seu modo. Uma lâmpada exibirá claridade lirial, em jacto contínuo, mas, se essa claridade for filtrada por focos múltiplos, decerto estará submetida à cor e ao potencial de cada um desses filtros, embora continue sendo sempre a mesma lâmpada a fulgurar em seu campo central de ação. Mediunidade é sintonia e filtragem. Cada Espírito vive entre as forças com as quais se combina, transmitindo-as segundo as concepções que lhe caracterizam o modo de ser."