Chat


Get your own Chat Box! Go Large!
Tenham bom senso e responsabilidade com o que está sendo dito, com bom uso e principalmente, tendo em mente que TODOS deverão ser respeitados em suas diferenças, inclusive de opinião. Assim, nenhum usuário precisará ser bloqueado. O conteúdo da conversa, deve ser relacionado aos temas do blog.
É proibido o uso de nicks com nomes de Entidades, Cargos do Tipo Pai, Mãe, Ogan etc. ou Orixás, ou nicks considerados como insultuosos ou ofensivos.
É proibido insultar ou ofender qualquer utilizador deste chat. Respeite para ser respeitado.
Não informe dados pessoais na sala de chat, tais como E-mail,
Nº de telefone.
Esse tipo de informação deve ser em conversa privada com o membro, pois o Blog não se responsabiliza por quaisquer dano e/ou prejuízo.
Ao menos uma vez por semana, estarei presente e online para quem quiser conversar, compartilhar algo e/ou trocar idéias.

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

A Importância do uso da Guia de Aço " 7 LINHAS "


Hoje em dia, infelizmente, observamos o não uso das guias de aço por parte dos médiuns umbandistas.
Porque?
É comum ver-se a utilização de guias confeccionadas com materiais inócuos, como missangas, vidros coloridos, porcelana, plástico, etc.

Vamos entender como funciona o aço e com certeza daremos maior valor na utilização dessa guia, tão importante para a nossa defesa e proteção.

As guias de aço vendidas nas casas do ramo, geralmente possuem o que chamamos de “ferramentas” dos Orixás penduradas por toda a extensão da guia.

O que seriam essas “ferramentas”?
Nada mais são do que representativas dos Sagrados Orixás, pois cada uma delas traz em sua formação, um pedaço da onda vibratória geométrica sagrada emanada pela força Orixá.

Para termos uma melhor noção de quais “ferramentas” deverá conter a guia de aço, vamos enumerá-las (as ferramentas também deverão ser confeccionadas em aço):

• Uma cruz de aço. – Vibração de Oxalá
• Um coração de aço.– Vibração de Oxum
• Uma espada de aço.– Vibração de Ogum
• Uma flecha de aço.– Vibração de Oxóssi
• Uma machadinha de aço.– Vibração de Xangô
• Uma chave de aço.– Vibração de Omulu/Obaluaiê
• Uma estrela de cinco pontas de aço.-povo do oriente
. Uma lua ou ancora.-Iemanjá
• Um garfo de conformação quadrada de aço.-exú
• Um garfo de conformação arredondada de aço.-pomba-gira


De um lado da guia de aço deverá estar o garfo de Exú, e do outro lado o garfo de Pomba Gira (o garfo é um representação da energia tripolar que Exu e Pomba Gira vibram; energia essa positiva, negativa e neutra; formam o desenho de um garfo.

Obs.: Também pode-se utilizar uma medalha de aço, desde que se tenha nessa medalha, em alto ou baixo relevo, os sinais cabalísticos representativos dos Sagrados Orixás.

Aço é uma liga de ferro-carbono e outros elementos residuais do tipo P, S, Mn e Si. O ferro que predomina na composição do aço existe na natureza (nos minérios) sob a forma de óxidos estáveis do tipo Fe2O3 (hematita) etc.

O aço é um excelente condutor de energia elétrica e possui uma aura fortemente radioativa.

As conformações dos filamentos que compõem a “guia de aço” (colar consagrado), funcionam como excelentes captadores das energias vivas da Natureza, bem como também, diminutos cabos eletromagnéticos, e os traços fluídicos desprendidos do metal dinamizado, como acumulador de forças, favorecem bastante o escoamento dos fluidos ativados nos feitiços, magias negras, pensamentos negativos, miasmas e larvas astrais.

Algumas emanações fluídicas são perniciosas ao ser humano.
O feiticeiro, sabedor desse fator, procura ativar forças etéreas aliadas a certos materiais dinamizados, a fim de conseguir êxito nos processos de “bombardear” a aura e o duplo etérico de seu desafeto, provocando uma série de problemas físicos e espirituais.

Também acontece o caso de “auto enfeitiçamento”, por viver constantemente vivenciando doenças morais ou mesmo a presença em ambientes de baixo teor vibratório, onde fatalmente existem fluidos perniciosos a constituição humana, que poderão agregar-se aos corpos sutis e físicos do homem.

Se houvesse uma maneira “clínica” de se observar e examinar o duplo etérico de um homem enfeitiçado, auto enfeitiçado ou mesmo carregado de inveja, olho gordo, etc., 

Os médicos identificariam como as radiações negativas, emanadas de uma magia negra e de pensamentos negativos, afetam a base química orgânica, agregando aos corpos sutis e físico uma série de miasmas e larvas astrais, produzindo uma série de enfermidades muitas vezes graves.


O aço, devido a sua ação excelente de condutibilidade, e conseqüentemente também, um grande acumulador magnético, possui a capacidade de atrair e absorver diversos tipos de emanações fluídicas prejudiciais ao ser humano.

A guia de aço transforma-se num excelente captador de energias deletérias de baixo teor energético, desagregando esses baixos fluidos, não permitindo seu alojamento e conseqüentemente a criação e proliferação de miasmas e larvas astrais nos corpos sutis e físico do homem.

O aço, por ação radioativa e excelente condução, juntamente dinamizado pela eletricidade biológica irá criar um campo eletromagnético em volta do corpo físico e astral do homem, criando uma barreira natural contra vários tipos de fluídos de baixo padrão, não permitindo que adentrem na constituição espiritual e física de quem esta usando essa proteção.

Portanto, o uso de uma guia de aço, devidamente consagrada (dinamizada), por um Guia Espiritual, um mago experimentado, ou mesmo um sacerdote, transforma-se em uma potente proteção.

Atente que somente após estar dinamizada, a guia de aço possuirá um campo de proteção eficiente, pois estará magnetizada com a determinação de proteger.

Só devemos atentar, que não é simplesmente o uso de uma guia de aço que irá nos proteger e nos livrar de todo o mal do mundo.

À necessidade de se criar condições morais, promovendo a necessária Reforma Íntima, Evangelização e conseqüentemente redobrar a vigilância, ajustando-se a uma elevada conduta espiritual.

Tudo isso, aliado ao uso de uma guia de aço, estaremos criando condições de obter uma efetiva proteção contra todos os tipos de males que possam nos apoquentar.

A guia de aço é um amuleto que têm como função, absorver as energias maléficas e evitar que haja uma infestação etérica enfermiça na aura do seu possuidor tendo eficácia defensiva, bem como catalisar os fluidos bons e repelir os maus do próprio dono.

A guia de aço como amuleto, pode transmitir a outros, as influências boas ou más do seu primeiro dono. 

Por isso, muitas vezes observamos uma pessoa ou um Guia Espiritual retirar uma Guia do pescoço e colocar no pescoço de outra; ali, o Guia ou a pessoa bem intencionada esta dando um amuleto de proteção pessoal, que possui todos os elementos necessários impregnados no amuleto, a fim de proteger quem estiver fazendo uso da guia.

Importante: A guia de aço, por ser constituída de elementos eletromagnéticos poderosos, de alto acumulo de forças e excelente condução, desde que devidamente consagrada (dinamizada), nunca se sobrecarrega, pois estará constantemente escoando os fluidos de baixo teor vibratório; portanto, nunca estará “carregada” de fluidos pesados, não necessitando ser constantemente purificada e nem abençoada.

Também não haverá problemas de alguém estranho colocar as mãos na guia de aço.

Somente deveremos tomar o devido cuidado de retirá-la quando formos ter relações sexuais e quando formos dormir, poderemos colocá-la por debaixo do travesseiro.

Quanto ao uso, todos os dias devemos proferir a Oração da Guia de Aço, para que mentalmente ativemos a energia dinamizada da guia, para assim se tornar mais efetiva a proteção energética.




ORAÇÃO DA GUIA DE AÇO:

Quando for de manhã, ao acordar antes de colocar a sua guia de aço profira esta oração: Com a corrente da guia de aço entre as mãos, formar um triângulo na altura da testa, diga a seguinte invocação:

Em nome do Setenário da Luz,
Que encerra os mistérios da Santa Cruz,
Eu me cruzo e me ligo,
Em corpo e espírito,
Com as forças dos Sagrados Orixás.

Após a invocação, pegar a medalha ou a cruz da guia de aço na mão direita, e enquanto diz o nome dos Sagrados Orixás, cruzar da seguinte maneira:
• 03 (três) vezes na testa,
• 01 (uma) vez do lado direito da cabeça,
• 01 (uma) vez do lado esquerdo da cabeça,
• 01 (uma) vez no alto da cabeça (coroa – coronal), e,
• 01 (uma) vez na nuca.
Após tudo feito, colocar a sua guia de aço no pescoço.

.............................................................................................
(Fonte: Trecho Extraído do livro) 
UMBANDA – O CONJUNTOS DAS LEIS DE DEUS

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Indução Espiritual

A indução espiritual de desencarnado para encarnado se faz espontaneamente, na maioria das vezes de modo casual, sem premeditação ou maldade alguma. O espírito vê o paciente, sente-lhe a benéfica aura vital que o atrai, porque lhe dá sensação de bem estar. Encontrando-se enfermo, porém, ou em sofrimento, transmite ao encarnado suas angústias e dores, a ponto de desarmonizá-lo - na medida da intensidade da energia desarmônica de que está carregado e do tempo de atuação sobre o encarnado. Em sensitivos sem educação mediúnica, é comum chegarem em casa esgotados, angustiados ou se queixando de profundo mal-estar. Por ressonância vibratória, o desencarnado recebe um certo alívio, uma espécie de calor benéfico que se irradia do corpo vital mas causa no encarnado, o mal-estar de que este se queixa.
Hábitos perniciosos ou vícios, uma cerveja na padaria, um cigarro a mais, um passeio no motel, um porno-filme da locadora de vídeo, defender ardorosamente o time de futebol, manifestação violenta da sua própria opinião pessoal, atraem tais tipos de companhia espiritual, algumas brincadeiras tais como as do copo, ou pêndulo, podem atrair espíritos brincalhões, a princípio, que podem gostar dos participantes e permanecerem por uma longa estadia. De qualquer maneira, o encarnado é sempre o maior prejudicado, por culpa da sua própria invigilância - "orai e vigiai" são as palavras chaves e o agir conscientemente, é a resposta. A influência exercida pelos desencarnados, em todas as esferas da atividade humana poderá ser feita de maneira sutil e imperceptível, por exemplo, sugerindo uma única palavra escrita ou falada que deturpe o significado da mensagem do encarnado de modo a colocá-lo em situação delicada.
A indução espiritual, embora aparente uma certa simplicidade, pode evoluir de maneira drástica, ocasionando repercussões mentais bem mais graves, simulando até mesmo, uma subjugação espiritual por vingança.
Durante o estado de indução espiritual, existe a transferência da energia desarmônica do desencarnado para o encarnado, este fato poderá agravar outros fatos precedentes, como a ressonância vibratória com o passado angustioso que trazem a desarmonia psíquica para a vida presente, através de "flashes" ideoplásticos (ideo- do grego idéa = "aparência"; princípio, idéia. + plast- (icos) do grego plásso ou platto = "modelar"; moldar. Ou ainda "plasmar", no conceito espírita.). Em outras palavras: um fato qualquer na vida presente, poderá ativar uma faixa angustiosa de vida passada, tal vibração, gera a sintonia vibracional que permite a aproximação de um espírito desencarnado em desarmonia. Esses dois fatos juntos podem gerar situações de esquizofrenia na vida atual do paciente.


quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Não somos atacados pelas trevas, viemos dela

Quem são os dragões? É a mais antiga comunidade da maldade que se organizou socialmente nas regiões chamadas subcrostais ou submundo astral. Segundo a autora Maria Modesto Cravo, ela existe há 10 mil anos. Essa comunidade, administrada por inteligência do mal, criou a Cidade do Poder e sua hierarquia é composta pelos "dragões" legionários, justiceiros e conselheiros. São espíritos que fazem o mal intencionamente.

            Não existe responsabilidade unilateral no processo de influência mental entre os mundos físico e espiritual. Existe interação, compartilhamento de aspirações e desejos.
            Não existe domínio sem aceitação, nem pressão sem sintonia. É totalmente injustificável a crença na força do mal sem escolha íntima e posicionamento mental propício, sendo declarada invigilância dos discípulos espíritas o destaque, que começa a assolar a sementeira, com visões pessimistas e chavões que servem de ligação com as forças inferiores.
            Muitos estereótipos são criados, tais como: obsessores, inimigos espirituais, adversários da causa, encosto indesejável, opositores desencarnados do sistema, falanges trevosas, forças contrárias, espíritos do mal. Até mesmo nós, aqui na erraticidade, temos nos valido de tais expressões por uma questão de comunicação com vocês no plano físico, embora não traduzam o mesmo sentido que toma conta de quantos regressam do corpo para cá. Os chamados espíritos do mal são familiares queridos cujo tempo interrompeu nossos laços de amor.
            Somente com uma visão límpida de quem somos, livres das ilusões, verdadeiramente alicerçaremos condições íntimas no melhor proveito das oportunidades de crescimento na vida corporal ou fora dela. Essa visão, evidentemente, será o resultado da aplicação das diretrizes do Evangelho no reino sagrado do coração. Somente com sentimento educado ampliaremos as chances de realizar o mergulho consciente nas profundezas de nós mesmos. E esse mergulho solicita-nos a coragem de conhecer nossas raízes espirituais, que se acham mais entrelaçadas com os "gênios do mal" do que imaginamos.
            Necessário esquadrinhar os matizes da vida no submundo astral, a fim de ficar claro que, consciente ou inconscientemente, por deliberação própria nas raias da maldade declarada ou por escravização, todos nós, de alguma forma, temos elos com as ações da maldade organizada, conquanto isso não signifique impotência para escolher os caminhos na direção do bem e da luz. Os chamados vales da imundície e da maldade são extensões da família terrena, a parcela mais adoecida da humanidade. Em tese, representam o lado mais frágil de todos nós.
            Ansiando por tempos novos no orbe, prepare-mo-nos para o socorro a esses filhos da amargura. A melhora espiritual do planeta depende dessa tarefa ingente. Se o mundo espiritual influencia o mundo físico, de igual forma a sociedade terrena determina efeitos similares na psicosfera da crosta. O homem cativo no corpo de carne não guarda consciência da movimentação ativa da vida invisível que o cerca. Da mesma forma, esmagadora maioria dos desencarnados não é capaz de mensurar o quanto são dirigidos pelas forças provenientes da Terra. Porque existem seres com grande capacidade mental fora da matéria escolhendo o caminho de bilhões de almas foi que Deus permitiu a presença dos médiuns na humanidade, a fim de espelharem com nitidez o dinamismo permanente que orienta o ecossistema universal, em todas as esferas de vida por meio da unidade e do progresso.
            O mal é um efeito dessa interação interdimensional. Dimensão física e espiritual em perfeita sinergia. Jamais poderemos cogitar de soluções definitivas para os dramas capitais da sociedade terrena sem a incursão salvadora nas raízes espirituais que alimentam as mais sórdidas ideias e sustentam a malícia nos sentimentos.
            Não existirá regeneração sem renovação do submundo astral no qual estão plantadas as raízes da maldade, que alonga seus frutos indigestos como uma hera sobre a face do orbe.
            A humanidade é composta de um grupo de almas cuja etapa evolutiva é marcada pela recente desvinculação do mal e da ignorância, nos quais, deliberadamente, muitos ainda permanecem.
            Com raríssimas exceções, encontramos corações que aprenderam a edificar o bem no limite do que podem. Egressos da brutalidade, apenas começamos a galgar etapas significativas com destino ao esplendor da regeneração. A cultura e o progresso social estabelecem horizontes vitoriosos para a implantação da saúde e do direito, da educação e da tecnologia que destinarão as sociedades a um amanhã mais feliz. Nesse conceito global é imperioso avaliar a posição do espírito-espírita sem a lente da ilusão.
Primitivismo, raciocínio, moralização e espiritualização são as estradas pelas quais peregrinam os habitantes terrenos. Recém saídos da barbárie, palmilhamos os primeiros passos em direção à civilidade.
            Se o planeta há 3.500 anos atrás ainda não conhecia um cânone completo de justiça, como esperar a angelitude em tão curto tempo?
            Desde a enxertia dos capelinos até o presente são passados aproximadamente 40.000 anos. Os capelinos, para aqueles ainda não afeiçoados ao tema, são os espíritos transportados de outro planeta na condição de degredados, falidos consciencialmente. Embora no atraso moral, vieram cooperar com o progresso da Terra, já que desenvolveram sobejamente a inteligência.
            A noção de justiça no orbe, mesmo nos grupos mais educados, ainda se encontra corrompida pelo interesse pessoal. Incluem-se nesses grupos muitos servidores propensos ao bem, ainda escravos dos reflexos perniciosos do egoísmo sutil, por fugas inteligentes na direção de vantagens particulares. A coletividade doutrinária espírita não está fora desse contexto evolutivo. A hierarquia e o dogmatismo são alguns desses monstros mentais elegidos pelo homem em séculos de personalismo. Com a hierarquia busca segurança e sensação de vitória. Com o dogmatismo ilude-se a si mesmo acerca daquilo que lhe convém acreditar e fazer a gosto de seus pontos de vista.
            Compete-nos edificar uma visão mais profunda sobre a velha questão filosófica: de onde viemos? Por que renascemos? Para onde vamos? Somente tomando consciência da nossa origem perceberemos que as trevas ou adversários são expressões de nós mesmos, frutos de nós próprios. Queiramos ou não, viemos desses sítios de dor e buscamos a luz. As forças contrárias que nos perseguem são extensões de nossa família espiritual. E somente quem se escraviza na vertigem de superioridade pode-se imaginar tão distante da condição dessas almas feridas e carentes de amor e orientação.
            Não somos atacados pelas trevas, viemos dela. Comungamos com ela.
            Sendo assim, justo que sejamos procurados. Bom será mensurar, quanto antes, a abrangência dessa verdade na erradicação das miragens de grandeza. Do contrário, o inferno reclamará nossa permanência em regime de moradia e dor por longo tempo em suas paragens. Eis a razão de ampliarmos a visão sobre o tema negligência. Para almas comprometidas como os trabalhadores espíritas, quaisquer deslizes tomarão proporções indesejáveis na colheita obrigatória nos recessos da consciência."
            "Embora a maldade já existisse nas almas transmigradas para o planeta em tempos imemoriais, vamos detectar a presença do mal na Terra como organização social a partir 10.000 anos atrás. Lúcifer, o gênio do mal, um coração extremamente vinculado a Jesus, estabeleceu o litígio inicial representando milhões de almas insatisfeitas com as consequências do exílio em outro orbe.
            Dominado pela soberba que os expulsou das oportunidades de crescimento em mundos distantes, tomou como bandeira a prepotência de empunhar armas contra o Condutor da Terra, a fim de disputar, em sua arrogância sem limites, por quem ela seria dominada e controlada. Eis o motivo de uma história política, moral e espiritual que se arrasta há milênios. Tal enredo parece simples, entretanto, por agora, é o que posso lhes dizer na aquisição de noções mais nítidas acerca dos desafios que vos esperam nas tarefas junto à carne.
            A estratégia para tal insanidade é manter a humanidade na ignorância espiritual. A inteligência ilimitada desse espírito, que carrega experiência ímpar sobre o destino de multidões, traçou um plano nefando de explorar as próprias fraquezas humanas para retê-la na inferioridade. O fundamento basilar desse plano consiste em colocar o instinto como núcleo estratégico do atraso. Convencer o homem da Terra que não vale a pena mudar de reino, subir o degrau do instinto para a razão. O prazer e a vida, nessa concepção decadente e astuta, residem em se manter na retaguarda dos cinco sentidos com total expressão dos interesses pessoais.
            Ações marcantes dessa organização da maldade no mundo podem ser verificadas aproximadamente 1.500 anos antes da vinda do Cristo por ocasião da implantação da noção da justiça divina no mundo, por meio do primeiro código ético enviado pela mediunidade do Mais Alto para a humanidade - os Dez Mandamentos.
            A justiça é a leira fértil para que as sementes viçosas do amor frutifiquem em bênçãos infinitas. A maldade usou toda sua cota de energia para impedir a vinda de Moisés e a difusão dos Dez Mandamentos para os povos. Criaram, nesse tempo, a Casta dos Justiceiros dentro de uma concepção cruel de justiça feita com as próprias mãos, conseguindo alterar significativa parcela do bem que a Lei Divina poderia ter fermentado nas sociedades daquele tempo.
            O símbolo inspirador dessas falanges, fartas de perversidade, é o dragão, um retrato animalizado da força e do poder que essas criaturas adoecidas trazem no imo de si mesmas. A figura lendária do dragão surgiu nas crenças mais primitivas que se tem notícia como uma insígnia de poder. Uma simbologia que lhes traduz o estado íntimo e seus propósitos. Sentiam-se répteis pela condição do exílio, entretanto, criaram as asas do poder e o fogo da crueldade, expressos na figura do dragão, para manifestarem sua revolta e rebeldia ante a condição em que foram colocados em um planeta prisional. Eram répteis, mas podiam voar. Querem distinção em relação aos aborígines da Terra, considerados um atraso na evolução por parte deles. Eram fracassados, mas podiam destruir.
            A despeito do clima de guerra, a justiça estimula uma relação ética entre os homens que passam a obedecer a leis e a educar seus sentimentos a partir de uma referência social criadora de limites.
            Era o progresso lento, porém gradativo. Com o olho por olho, dente por dente nascia a ética do medo criando regras morais ao instinto de defesa humano.
            A Lei do Pai, independentemente da loucura de Seus filhos, cumpre-se intimorata. E os litigantes que eram atraídos para atacar os focos de honestidade e equilíbrio nas ações humanas terminavam sucumbindo, muitos deles, ao talante da força do bem e renascendo no povo hebreu decantando a velha imagem bíblica do paraíso, uma expressão arquetípica da coletividade exilada de outro mundo.
            O paraíso perdido passou de geração a geração. Muitos voltaram a seus mundos de origem, entre eles Capela. Aqueles que permaneceram formaram séquitos.
            Dentre os espíritos exilados, o povo hebreu é o mais exclusivista e crente. Cultores da raça pura e do monoteísmo. Sempre tentaram não se misturar nas mutações étnicas. Não foi por outra razão que Jesus escolheu a árvore de David para nascer. Foi assim estruturada a linhagem psíquica dos espíritos do Cristo - almas exiladas de seu mundo original, vinculadas ao coração de Jesus, e que formaram o tronco judaico-cristão, com perfil moral de acendrado orgulho centrado na ideia do Deus único.
            Os dragões justiceiros, como se denominam em suas hostes, fundaram, a esse tempo, a primeira das sete cidades da maldade na psicosfera terrena. Chamada de Cidade do Poder está situada no psiquismo do Velho Mundo, nas portas da psicosfera da Palestina, a antessala do Oriente Médio. Atualmente sua extensão territorial atinge todo o planeta. A parcela urbanizada dessa comunidade se encontra na crosta, sendo regida pelas mesmas leis que orientam a vida planetária em vigoroso regime de simbiose; e tem seus vales periféricos a se estender pelas mais abissais regiões da erraticidade, em plena conexão de objetivos e vibrações. O lugar mais conhecido e onde se praticam as mais infelizes formas de maldade chama-se Vale do Poder, um cinturão psíquico que circula a subcrosta da Terra, onde vegeta uma semi-civilização que onera a economia vibratória do orbe.

Extraído do livro Os Dragões - espírito Maria Modesto Cravo - psicografia WANDERLEY OLIVEIRA

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Buscando a harmonia com os elementos

A mediunidade é a capacidade que todos nós temos, em maior ou menor grau e tipos diferentes, de servirmos de veículo de comunicação entre o plano físico e o plano espiritual.

A mediunidade pode ficar latente durante toda a vida e não causar maiores problemas, ou pode "explodir", causando transtornos na saúde, na vida sentimental e na vida profissional.

Devemos esclarecer, entretanto, que não é a mediunidade que causa esses transtornos e sim o comportamento irregular que a pessoa passa a ter, uma vez que fica sem autocontrole, instável emocionalmente, e captando vibrações nem sempre boas, das pessoas com quem convive e dos ambientes que frequenta. Tudo isso contribui para que a pessoa se indisponha com seus entes mais queridos, se indisponha no seu ambiente de trabalho e, muitas vezes, perca a sua boa saúde anterior, já que normalmente assumirá um estado mental negativo.

A mediunidade é um dom que precisamos aprender a controlar e que precisa ser disciplinada. A solução é o desenvolvimento mediúnico. 


PRINCIPAIS SINTOMAS DA MEDIUNIDADE

a) Sintoma clássico: suor excessivo nas mãos e axilas, principalmente nas mãos. As mãos ficam molhadas, quase geladas. Os pés também podem ficar gelados; as maçãs do rosto muito vermelhas e quentes; as orelhas ardem.

b) Depressão psíquica: a pessoa fica totalmente instável, passando de uma grande alegria para uma profunda tristeza sem motivo aparente. Fica melancólica e sente uma profunda solidão. É como se o mundo todo estivesse voltado contra ela. É facilmente irritável e, nessa fase, ela vai ferir com palavras e gestos aqueles que mais gosta.

c) Alterações no sono: sono profundo ou insônia. A insônia é provocada pela aceleração no cérebro devida à vibração. Os pensamentos voam de um assunto para outro, incontroláveis, e a pessoa não consegue dormir. O sono profundo é devido à perda de ectoplasma, de força vital. Há um enfraquecimento geral do organismo e as vibrações da pessoa são reduzidas.

d) Perda de equilíbrio e sensação de desmaio: a perda de equilíbrio é uma sensação muito rápida.
A pessoa pensa que vai cair e tenta se segurar em alguma coisa, mas a sensação termina antes que ela consiga fazer qualquer gesto. É extremamente desagradável.
A sensação de desmaio normalmente ocorre quando a vibração abandona a pessoa bruscamente. Ela fica muito pálida e tem que sentar para não cair. Às vezes ocorre sensação de vômito ou de diarreia. Um copo de água com bastante açúcar e respiração pela narina direita normalmente bastam para contornar essa situação.

e) Taquicardia: comum em algumas pessoas. Há uma súbita alteração no ritmo dos batimentos cardíacos, fruto do aceleramento provocado pela vibração atuando.

f) Medos e fobias: a pessoa fica com medo de sair sozinha, de se alimentar, de tomar remédios, pois acha que tudo lhe fará mal. Às vezes tem medo de dormir sozinha ou com a luz apagada. É muito comum, também, uma total insegurança em tudo o que vai fazer.
  

Todos esses sintomas tendem a desaparecer com a preparação espiritual e o desenvolvimento mediúnico, mas o tempo necessário ao desenvolvimento dependerá muito do grau de mediunidade, do interesse e da preparação espiritual do médium. 



OS TIPOS MAIS COMUNS DE MEDIUNIDADE

Existem mais de 100 tipos de mediunidade, mas os mais comuns são os seguintes:

a) Intuição: é um tipo de mediunidade onde o médium recebe em seu pensamento, sob a forma de uma sugestão, mensagens provindas de um espírito. A intuição nem sempre deve ser seguida, a não ser que o médium consiga identificar a entidade que o está intuindo. Essa identificação, ele aprenderá a fazer no seu desenvolvimento pois cada entidade produz um sintonia diferente no organismo.

b) Incorporação: é a mediunidade em que o médium sintoniza a vibração da entidade e essa vibração toma conta de todo o seu corpo. A sintonia é mental e pode produzir uma incorporação parcial ou uma integral.
Na incorporação parcial, o médium fica consciente, isto é, ele sabe que está ali, sente, observa, mas não domina o corpo nem controla o raciocínio. Perde, também, a noção de tempo e, embora tenha sido espectador de si mesmo, perde a noção de muita coisa que se passou, ao desincorporar. Na incorporação parcial pode haver uma quebra de sintonia ocasional, o que permitirá ao médium interferir na comunicação.
Na incorporação integral, o médium fica totalmente inconsciente, pois há uma perfeita sintonia com a vibração da. entidade.
 Nesse caso, não há possibilidade de interferência e, ao desincorporar, o médium não vai se lembrar de nada do que se passou.
Queremos esclarecer que a incorporação parcial é tão autêntica quanto a integral. O único problema é o médium não interferir, procurando se isolar e deixar que a entidade atue livremente. A esmagadora maioria dos médiuns (mais de 95%) trabalha em incorporação parcial e uma pequeníssima minoria (menos de 5%), em incorporação integral.

c) Vidência: é o tipo de mediunidade que permite, àquele que a possui desenvolvida, ver as entidades, as irradiações. Pode ser de três tipos: direta, intuitiva e focalizada.
Na vidência direta, o médium pode ver as entidades de quatro maneiras diferentes:
1 - na projeção, o médium vê apenas um facho de luz, uma coloração que depende da vibração atuante. Não vê forma humana, nem identifica a entidade.
2 - na parcial, o médium percebe uma forma humana ao lado de quem está trabalhando espiritualmente, mas ainda não dá uma perfeita identificação. Vê somente o contorno, a forma.
3 - no acavalamento, o médium vê a entidade por cima dos ombros de outro médium. Já percebe se é masculina ou feminina, se é caboclo ou preto-velho ou outro falangeiro qualquer, se os cabelos são longos ou curtos, etc.
  
 Muitos médiuns que tiveram esse tipo de vidência afirmam, por desconhecimento, que as entidades vistas possuíam mais de dois metros de altura, não percebendo que a entidade, vista acima dos ombros de outro médium, produziu uma falsa impressão de altura.
4 - no encamisamento, o médium vê a entidade toda, perfeita. Isso acontece na incorporação integral, quando a entidade toma conta do corpo de um outro médium.
Na vidência intuitiva, o médium vê apenas com a mente. Ele se concentra e recebe a imagem mental, por intuição.
Na vidência focalizada, o médium utiliza algum objeto para a vidência, como um copo d'água ou um cristal. As imagens aparecem no objeto de vidência.

d) Clarividência: é o tipo de mediunidade que permite ver fatos que ocorreram no passado e que ocorrerão no futuro. Os clarividentes podem ver os corpos astral e mental de outras pessoas, e tomar conhecimento da vida em outros planos espirituais. É um tipo de mediunidade difícil de ser encontrado.

e) Audição: o médium ouve uma voz clara e nítida nos seus ouvidos e dessa forma recebe as mensagens. Na audição, devemos ter o mesmo cuidado que temos na intuição, no que diz respeito à identificação de quem está dando a mensagem.

f) Transporte: é a capacidade de visitar espiritualmente outros lugares, enquanto o corpo físico permanece repousando tranquilamente; o espírito se desliga do corpo e vai para o espaço. Esse transporte pode ser voluntário ou involuntário.
No transporte voluntário, o médium se predispõe a realizá-lo. Ele se concentra e se projeta espiritualmente a outros lugares, tomando conhecimento do que vê e do que ouve.
O transporte involuntário ocorre durante o sono. Todos nós nos desligamos do corpo físico durante o sono e entramos em contato com pessoas e lugares dos quais não nos recordamos ao acordar. Às vezes, recebemos nesses transportes soluções para os nossos problemas que, mais tarde, nos parecerão idéias próprias. A respeito, diz um ditado popular: "Para a solução de um grande problema, nada melhor que uma boa noite de sono".

g) Desdobramento: é um transporte em que o espírito do médium fica visível à outra pessoa. O corpo físico fica repousando, o espírito do médium se transporta a outro ambiente e, nesse ambiente, torna-se visível.

h) Psicografia: tipo de mediunidade muito comum, podendo ser intuitiva, semimecânica ou mecânica. É a capacidade de receber comunicações pela escrita.
Na psicografia intuitiva, o médium recebe as mensagens na mente e as passa para o papel. É pura intuição.
Na psicografia semimecânica, o médium, à medida que vai escrevendo, vai também tomando conhecimento do que escreve. O espírito atua, simultaneamente, na mente e na mão do médium.
Na psicografia mecânica, o espírito atua somente na mão do médium, que escreve sem tomar conhecimento da mensagem recebida.
Quando, ao invés de escrever, o espírito utiliza a mão do médium para pintar, esse tipo de mediunidade é chamado de psicopictografia.

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Despachos, oferendas e obrigações


Todo despacho é uma oferenda, mas a recíproca nem sempre é verdadeira, ou seja, nem toda oferenda é um despacho!
A oferenda em si é um gesto de amor, enquanto o despacho pode ter um sentido mais diverso.
Se uma pessoa for a uma mata, oferecer uma (ou várias) velas verde, ao lado de um coité (cuia), com curiador (bebida), e pedir a Oxosse, o Senhor das Matas, com amor e convicção, força e sabedoria, ela estará fazendo uma oferenda.
Mas, se ela for a mesma mata, acender as velas, e pede a Oxosse para afastar seus inimigos, esta pessoa está fazendo um despacho, pois tem um sentido de demanda.
Podemos encontrar relatos de oferendas até no Antigo Testamento.
A oferenda, talvez seja uma das maneiras mais primitivas do homem, de se encontrar com seus deuses...
Desde tempos imemoráveis, o homem costuma oferecer parte de sua caça ou colheita a seus deuses, numa forma de agradecimento e retribuição pelo sucesso alcançado.
Na oferenda, a pessoa não assume um "compromisso cármico" (dívida); mas, no despacho, se houver um sentido de agressão e não de defesa, é certo que, ele aumentará seus débitos com os Senhores do Destinos, mesmo que veladamente procure dissimular, alegando a si mesmo tratar de uma oferenda, pois suas intenções são captadas em primeiro lugar.
Quando se promete algo p/ as entidades, ou qualquer ser do astral (tanto mental como "pessoalmente"), nos casos de desobsessões, as vezes , temos que dar o que este "ser", está pedindo, pois do contrário, tornaria-se mais difícil resolver o "problema". Neste aspecto, esta oferta teria um sentido de obrigação, ou seja, algo que nos foi imposto!
Alguns umbandistas ou candomblecistas, acreditam que as oferendas ou despachos, são uma forma de pagamento, acreditando simplesmente que, quanto mais cara e complicada for, mais valorizada será a "troca". Acreditando que os Orixás e as entidades, podem meramente serem "compradas"....
Por isso a oferenda deve ser feita num gesto gratuito de amor e doação, sem o propósito de negociar graças, pois seus sentimentos são captados na sua forma verdadeira.
É preciso saber e lembrar que no astral, as entidades, Orixás, etc...., são "energias", então não possuem um corpo físico; portanto não têm olhos, nariz, paladar...p/ degustar as oferendas.
São vibrações, e sendo assim, captam apenas vibrações.
Em primeiro lugar, estas "energias", irão captar o que VOCÊ deixou lá, ou seja, suas verdadeiras intenções, que ficaram imantadas nos objetos, alimentos ou bebidas deixados, e só depois irão usufruir da oferenda ou despacho em si.


sábado, 25 de janeiro de 2014

O Passe Espírita


1.O PASSE

O QUE É

"O passe é uma transfusão de energias psíquicas alterando o corpo celular"

2.ELEMENTOS DO PASSE:

OS FLUIDOS

I.CONCEITOS BASICOS:

André Luiz nos fala do fluido cósmico chamando-o de "plasma divino, hausto do Criador ou força do Todo-Sábio". E continua: "nesse elemento primordial, vibram e vivem constelações e sóis, mundos e seres..." - Nessa substância original, ao influxo do próprio Senhor Supremo, operam as Inteligências Divinas a Ele agregadas em processo de comunhão indescritível (...) Na essência, toda matéria é energia tornada visível e toda energia, originalmente, é força divina de que todos nós nos apropriamos para interpor os nossos propósitos aos propósitos da criação". "O fluido cósmico universal é, como já foi demonstrado, a matéria elementar primitiva, cujas modificações e transformações constituem a inumerável variedade dos corpos da Natureza. Como princípio elementar do Universo, ele assume dois estados distintos: o de eterização ou imponderabilidade, o de materialização ou de ponderabilidade, que é, de certa maneira, consecutivo àquele. O ponto intermédio é o da transformação do fluido em matéria tangível. Mas, ainda aí, não há transição brusca, porquanto podem considerar-se os nossos fluidos imponderáveis como termo médio entre os dois estados". "Cada um desses dois estados dá lugar, naturalmente, a fenômenos especiais: ao segundo pertencem os do mundo visível e ao primeiro os do mundo invisível. Uns, os chamados fenômenos materiais, são da alçada da Ciência propriamente dita, os outros, qualificados de fenômenos espirituais ou psíquicos, porque se ligam de modo especial ã existência dos Espíritos, cabem nas atribuições do Espiritismo. Como, porém, a vida espiritual e a vida corporal se acham incessantemente em contato, os fenômenos das duas categorias muitas vezes se produzem simultaneamente.


II.PROPRIEDADES :

André Luiz, chama a partícula do pensamento como "corpúsculo fluídico" que é uma unidade na essência, a subdividir-se em diversos tipos, "conforme a quantidade, qualidade, comportamento e trajetória dos componentes que a integram.



 E assim como o átomo é uma força viva e poderosa na própria contextura, passiva, entretanto, diante da inteligência que a mobiliza para o bem e para o mal, a partícula de pensamento (...) é igualmente passiva perante o sentimento que lhe dá forma e natureza, para o bem ou para o mal, convertendo-se , por acumulação, em fluido gravitante ou libertador, ácido ou balsâmico, doce ou amargo, alimentício ou esgotante, vivificador ou mortífero, segundo a forma do sentimento que o tipifica e configura, nomeável, à falta de terminologia equivalente, como RAIO DA EMOÇÃO ou RAIO DO DESEJO, força essa que lhe opera a diferenciação de massa e trajeto, impacto e estrutura". Nos ensina Allan Kardec que os espíritos atuam sobre os fluidos espirituais, não manipulando-os como os homens manipulam os gases, mas empregando o pensamento e a vontade. Pelo pensamento, eles imprimem àqueles fluidos tal ou qual direção, os aglomeram ou dispersam, organizam com eles conjuntos que apresentam uma aparência, uma forma, uma coloração determinada; mudam-lhes as propriedades, como o químico muda a dos gases ou de outros corpos, combinando-os segundo certas leis. - Os fluidos não possuem qualidades "sui-generis", mas as adquirem nos meios em que são elaborados; modificam-se pelos eflúvios desse meio ... - Os fluidos também carecem de denominações particulares; como os odores eles são designados pelas suas propriedades, seus efeitos e tipos originais. Sob o ponto de vista moral, trazem o cunho dos sentimentos de ódio, inveja, ciúme, orgulho, egoísmo, violência, hipocrisia, bondade, benevolência, amor , caridade, doçura, etc.." Concluindo, a despeito das conformações dos fluidos para nós, encarnados, ser muito restrita, Allan Kardec afirma (11) que "esses fluidos, para os espíritos, têm uma aparência tão material quanto a dos objetos tangíveis para os encarnados e são, para eles, o que são para nós as substâncias do mundo terrestre". E conclui mais adiante: "ainda não conhecemos senão as fronteiras do mundo invisível; o porvir, sem dúvida, nos reserva o conhecimento de novas leis, que nos permitirão compreender o que se nos conserva em mistério".

III.MECÂNICA DE ATUAÇÃO :

Como vimos, o fluido cósmico universal é o elemento primitivo do corpo carnal e do períspirito, do qual são transformações. Pela identidade de sua natureza, este fluido, condensado no períspirito, pode fornecer ao corpo os princípios reparadores; o agente propulsor é o Espírito, encarnado ou desencarnado, que infiltra num corpo deteriorado uma parte da substância de seu envoltório fluídico. A cura se opera pela substituição de uma molécula malsã por uma molécula sã. A potência curadora estará, pois, na razão da pureza da substância inoculada; ela depende ainda da energia da vontade, a qual provoca uma emissão fluídica mais abundante e dá ao fluido uma força maior de penetração; depende, enfim, das intenções que animam aquele que quer curar, quer seja ele homem ou espírito.

Os fluidos que emanam de uma fonte impura são como substância medicamentosas alteradas.



 "O pensamento do encarnado atua sobre os fluidos espirituais, como o dos desencarnado, e se transmitem de Espírito a Espírito pelas mesmas vias e, conforme seja bom ou mau, saneia ou vicia os fluidos ambientes". "O períspirito dos encarnados sendo de natureza idêntica a dos fluidos espirituais, ele os assimila com facilidade como uma esponja se embebe de um líquido, dependendo, é claro, da lei de sintonia e afinidade. "Atuando esses fluidos sobre o períspirito, este , a seu turno, reage sobre o organismo material com que se acham em contato molecular; se os eflúvios são de boa natureza, o corpo ressente uma impressão salutar; se são maus, a impressão é penosa. Se são permanentes e enérgicos os eflúvios maus podem causar desordens físicas; não é outra a causa de certas enfermidades"(57) "Considerado como matéria terapêutica, o fluido tem que atingir a matéria orgânica, a fim de repara-la; pode então ser dirigido sobre o mal pela vontade do curador, ou atraído pelo desejo ardente, pela confiança, numa palavra: pela fé do doente. Com relação a corrente fluídica, o primeiro age como uma bomba calcante e o segundo como uma bomba aspirante. Algumas vezes, é necessária a simultaneidade das duas ações; doutras, basta uma só..." Um fluido mau, não pode ser eliminado por outro igualmente mau. Preciso se faz expelir um fluido mau com o auxílio de um fluido melhor. O poder terapêutico está na pureza da substância inoculada, mas depende também da energia da vontade que, quanto maior for, mais abundante emissão fluídica provocará e maior força de penetração dará aos fluidos.

IV.OS CENTROS DE FORÇA

"No períspirito possuímos todo o equipamento de recursos automáticos que governam os bilhões de entidades microscópicas a serviço da inteligência, nos círculos de ação em que demoramos, recursos estes, adquiridos vagarosamente pelo ser, em milênios de esforço e recapitulação, nos múltiplos setores da atividade anímica, assim que, segundo a atividade funcional dos órgãos relacionados a fisiologia terrena, nele identificamos os centros de força".


[LOCALIZAÇÃO DOS SETE CENTROS DE FORÇA] "Analisando a fisiologia do períspirito, classificamos os seus centros de força, aproveitando a lembrança das regiões mais importantes do corpo terrestre.

a.O CENTRO CORONÁRIO:

O centro coronário, que na terra é considerado pela filosofia hindu como sendo o lótus de mil pétalas, por ser o mais significativo em razão do seu alto potencial de radiações, de vez que nele assenta a ligação com a mente, fulgurante sede da consciência. Esse centro recebe em primeiro lugar os estímulos do espírito, comandando os demais; vibra com eles em justo regime de interdependência.
  
Considerando em nossa exposição aos fenômenos do corpo físico, e satisfazendo aos impositivos da simplicidade em nossas definições, devemos dizer que dele emanam as energias de sustentação do sistema nervoso e suas subdivisões, sendo o responsável pela alimentação das células do pensamento e o provedor de todos os recursos eletromagnéticos indispensáveis a estabilidade orgânica. É por isso, o grande assimilador das energias solares e dos raios da espiritualidade Superior, capazes de fornecer a sublimação da alma.

b.O CENTRO CEREBRAL (FRONTAL)

Contíguo ao centro coronário, que ordena as percepções de variada espécie, percepções essas que na vestimenta carnal constituem a visão, a audição, tato e a vasta rede de processos de inteligência que dizem respeito à palavra, à cultura, à arte, ao saber. É no centro Cerebral que possuímos o comando do núcleo endocrínico.

c.O CENTRO CARDIACO

Sustenta o serviço da emoção e a circulação das forças de base.

d.O CENTRO LARÍNGEO

Preside os fenômenos vocais, inclusive as atividades do timo, da tireóide e das paratireóides.

e.O CENTRO ESPLÊNICO (MESENTÉRICO)

No corpo denso esta situado no baço, regulando a distribuição e a circulação adequada dos recursos vitais em todos os escaninhos do corpo espiritual.

f.O CENTRO GÁSTRICO (SOLAR)

Responsabiliza-se pela penetração (digestão e absorção) de alimentos e Fluidos no corpo espiritual.

g.O CENTRO GENÉSICO (HIPOGÁSTRICO) :

Onde se localiza o santuário do sexo como templo modelador de formas e estabelecedor de estímulos criadores, com vistas ao trabalho, à associação e a realização entre as almas.

Quando a nossa mente, por atos contrários às leis divinas, prejudicam a harmonia de qualquer um desses centros de força de nossa alma, naturalmente se escraviza aos efeitos da ação desequilibrante, obrigando-se ao trabalho de reajuste.



V.ATUAÇÃO DO PASSE NOS CENTROS DE FORÇA

Na obra assistencial dos espíritos amigos, que interferem nos tecidos sutis da alma é possível, quando a criatura se desprende parcialmente da carne, a realização de maravilhas. Atuando nos centros de força do períspirito, por vezes efetuamos alterações profundas na saúde dos pacientes, alterações essas que se fixam no corpo somático, de maneira gradativa. Grandes males são assim corrigidos, enormes renovações são assim realizadas. Mormente quando encontramos o serviço da prece na mente enriquecida pela fé transformadora, facilitando-nos a intervenção pela passividade construtiva no campo em que devemos operar, a tarefa de socorro concretiza verdadeiros milagres. O corpo físico é mantido pelo corpo espiritual a cujos moldes se ajusta e, desse modo, a influência sobre o organismo sutil é decisiva para o envoltório de carne, em que a mente se manifesta.


B.O PASSISTA


I.QUEM É.

"-Todos, com maior ou menor intensidade, poderão prestar concurso fraterno, nesse sentido. São muito raros, porém, os companheiros que demonstram a vocação de servir espontaneamente. Muitos, não obstante bondosos e sinceros nas suas convicções, aguardam a mediunidade curadora, como se ela fosse um acontecimento miraculoso em suas vidas e não um serviço do bem, que pede do candidato o esforço laborioso do começo..."

" Nas atividades de Assistência Espiritual o passe é uma das tarefas mais delicadas, exigindo muito critério, responsabilidade e boa vontade."

II.CONDIÇÕES FÍSICAS

A saúde do médium é condição primordial para o trabalho. Se ele não tem saúde, como poderá dá-la? Os fluidos que saem através do passista é lógico que vão impregnados do que ele contém. Portanto, cada um transmite, através dos fluidos que proteja no paciente, aquilo que contém no corpo ou no espírito. Para que o médium realize em boa forma a sua missão, deve estar sempre dentro do de um equilíbrio moral e físico. Dosar a ingestão de drogas e comprimidos que poderão, quando correspondem a viciações, pertubar-lhe as energias, atrofiando o delicado mecanismo físico de que se reveste. Ausência de álcool, de fumo , entorpecentes, moderação nas pimentas e nos temperos fortes. "... O excesso de alimentação produz odores fétidos através dos poros, bem como das saídas dos pulmões e do estômago, prejudicando as faculdades radiantes devido às desarmonias que geram no aparelho gastrointestinal".


"O álcool e outras substâncias tóxicas operam distúrbios nos centros nervosos, modificando certas funções psíquicas e anulando os melhores esforços na transmissão de elementos regeneradores e salutares". A vontade que movimenta os fluidos regeneradores, capazes de rearmonizar o períspirito ou o organismo enfermiço, pode manipular fluidos deletérios pelo mesmo mecanismo, criando ou acentuando males em curso de instalação ou de desenvolvimento. O passista poderá receber fluidos puros. Estes, porém, serão tisnados ao contato de suas emanações individuais que lhe alterem o teor regenerativo, poluindo-os antes de transferí-los ao enfermo.

III.CONDIÇÕES ESPIRITUAIS

"Sem equilíbrio das emoções pois, não é possível fornecer forças construtivas a alguém, se fazemos sistemático desperdício das irradiações mentais". A alma exerce sobre o espírito livre uma espécie de atração, ou de repulsão, conforme o grau de semelhança existente entre eles. As qualidades que, de preferência, atraem os bons espíritos são: a bondade, a benevolência, a simplicidade do coração, o amor ao próximo, o desprendimento das coisas materiais. "Jesus, em sua passagem pelo Planeta, foi a sublimação individualizada do magnetismo pessoal, em sua expressão substancialmente divina. As criaturas disputavam-lhe o encanto da presença, as multidões seguiam-lhe os passos, tocadas de singular admiração. Quase toda a gente buscava tocar-lhe a vestidura. Dele emanavam radiações de amor que neutralizavam moléstias recalcitrantes. Produzia o Mestre, espontaneamente, o clima de paz que alcançava quantos lhe gozavam a companhia". "Se pretendes, pois, um caminho mais fácil para a eclosão plena de tuas potencialidades psíquicas, é razoável aproveites a experiência que os orientadores terrestres te oferecem, nesse sentido, mas não te esqueças dos exemplos e vivas demonstrações de Jesus." "Se te afeiçoas, assim, ao fenômeno magnético, seja qual for o filão de tuas atividades, poderás estuda-lo e incrementá-lo, estendê-lo e defini-lo, mas, para que faças dele motivo de santidade e honra, somente em Jesus Cristo encontrarás o luminoso e indiscutível padrão.


C.O PACIENTE


I.QUEM É

CRISTIANISMO PRIMITIVO "As primeiras organizações de assistência ergueram-se com o esforço dos apóstolos, ao influxo amoroso das lições do Mestre. Era por esse motivo que a residência de Pedro, doação de vários amigos do "Caminho", regurgitava de enfermos e desvalidos sem esperança.
  
Eram velhos a exibirem úlceras asquerosas, procedentes da Cesárea; loucos que chegavam das regiões mais longínquas, conduzidos por parentes ansiosos de alívio; crianças paralíticas da Induméia, todos atraídos pela fama do profeta Nazareno que ressuscitava os mortos e sabia restituir tranquilidade aos corações mais infortunados do mundo".

Assim, o passe é destinado a:

- alguém que procura, solicita, se esforça ou requer emergência;

- alguém que se encontra hipnotizado magneticamente, quer por força material, quer por força espiritual;

- alguém que necessita de recurso terapêutico complementar, reparatório ou preparatório;

- alguém que está sobre influência obsessiva, como parte do tratamento desobsessivo.

II.PORQUE PRECISA

" - A enfermidade, como desarmonia espiritual, sobrevive no períspirito. As moléstias conhecidas no mundo e outras que ainda escapam ao diagnóstico humano, por muito tempo persistirão nas esferas torturadas da alma, conduzindo-nos ao reajuste. A dor é o grande abençoado remédio. Reeduca-nos a atividade mental, reestruturando as peças de nossa instrumentação, e polindo os fulcros anímicos de que se vale nossa inteligência para desenvolver-se na jornada para a vida eterna. Depois do poder de Deus, é a única força capaz de alterar o rumo de nossos pensamentos, compelindo-nos a indispensáveis modificações com vistas ao Plano Divino, a nosso respeito, e de cuja execução não poderemos fugir sem graves prejuízos para nós mesmos.

"- Assim como o corpo físico pode ingerir alimentos venenosos que lhe intoxicam os tecidos, também o organismo perispiritual pode absorver elementos de degradação que lhe corroem os centros de força, com reflexos sobre as células materiais. Se a mente da criatura encarnada ainda não atingiu a disciplina das emoções, se alimenta paixões que a desarmonizam com a realidade, pode a qualquer momento, intoxicar-se com as emissões mentais daqueles com quem convive e que se encontrem no mesmo estado de desequilíbrio. 


III.CONDIÇÕES PARA RECEBER

" - Na assistência magnética, os recursos espirituais se entrosam entre emissão e recepção,., desta forma é indispensável a fé para que registrem o socorro de que necessitem, pois assim como na eletricidade carecemos do fio sensível para a transmissão da luz, no passe magnético é imprescindível que os candidatos apresentem uma certa "tensão favorável" a qual decorre da fé. Sem recolhimento e respeito na receptividade, não conseguimos fixar os recursos imponderáveis que funcionam em nosso favor, porque o escárnio e a dureza do coração podem ser comparados a expressar camadas de gelo sobre o templo da alma".

Assim, é conveniente se poupar esforços na aplicação dos passes em determinadas situações, visto que, "não se deve jogar pérolas aos porcos". Por isso não é conveniente aplicar passes:

- quando o paciente é refratário por decisão própria e não o quer;

- quando a procura é simples curiosidade, comodidade ou teste para que se convença daquilo que , no fundo, não quer se convencer.


D.OS ESPÍRITOS 


I.QUEM SÃO:

"Na esfera espiritual, os servidores da medicina penetram, com mais segurança, na história do enfermo para estudar, com o êxito possível, os mecanismos da doença que lhe são peculiares, alem de que não se erguem apenas com o pedestal da cultura acadêmica, mas sim também com as qualidades morais que lhe confiram valor e ponderação, humildade e devotamento, visto que a psicoterapia e o magnetismo, largamente utilizados no plano extra físico, exigem dele grandeza de caráter e pureza de coração".(28) Quanto ao número de trabalhadores no mundo espiritual, "há verdadeiras legiões de trabalhadores de nossa especialidade amparando as criaturas que, através de elevadas aspirações, procuram o caminho certo nas instituições religiosas de todos os matizes."

  
E.A PRECE:


I.SUA IMPORTÂNCIA:

Na prece, encontramos a produção avançada de elementos-força. Eles chegam da Providência em quantidades iguais para todos os que se dêem ao trabalho divino da intercessão, mas, cada Espírito tem uma capacidade diferente de receber. Essa capacidade, é a conquista individual para o Mais Alto. E como Deus socorre o homem, e atende a alma pela alma, cada um de nós somente poderá auxiliar os semelhantes e colaborar com o Senhor, com as qualidades de elevação já conquistadas na vida. "A oração é o mais eficiente antídoto do vampirismo... A prece não é movimento mecânico dos lábios, nem disco de fácil repetição no aparelho da mente. É vibração, energia, poder. A criatura que, mobiliza as próprias forças, realiza trabalhos de inexprimível significação. Semelhante estado psíquico, descortina forças ignoradas, revela a nossa origem divina e coloca-nos em contato com as fontes superiores. Dentro dessa realização, o Espírito, em qualquer forma, pode emitir raios de espantoso poder"

F.O AMBIENTE:

"As condições do meio serão tanto melhores, quanto mais homogeneidade houver para o bem, mais sentimentos puros e elevados, mais desejo sincero de instrução, sem idéias pré-concebidas."(39) No templo espírita os instrutores desencarnados conseguem localizar recursos avançados no plano espiritual para o socorro a obsidiados e obsessores, além de fluidos para atendimentos aos serviços fluidoterápicos. Portanto, a casa espírita é, sem dúvida, o lugar mais apropriado para se fazer a aplicação do passe, especialmente na cabine para este fim destinado (quando houver). Daí, genericamente, o ambiente deve ser reservado, tranquilo, bem arejado e que seja utilizado para reflexões e ações no bem. Para aplicação de passes no lar do paciente, há de se atender às condições ambientais acima definidas, além de se considerar a urgência ou propriedade do ato, bem como da impossibilidade de locomoção do paciente ao ambiente da casa espírita. Todavia, lembrar sempre que assim como "a fé não exclui a previdência", "a caridade não dispensa a prudência".

" - Proibir ruídos quaisquer, tanto quanto ajuntamento de pessoas ou a presença de pessoas irreverentes ou sarcásticas no recinto para a assistência e tratamento espiritual". " - De ambiente poluído, nada de bom se pode esperar".

" - O passe deve ser realizado em câmara para isso destinada, evitando-se o inconveniente de aplicá-lo em público, porque além de perder em grande parte seu potencial pela vã curiosidade dos presentes e pela falta de harmonização do ambiente, foge também à ética e à discrição cristã.


A câmara de passes fica constantemente saturada de elementos fluídicos-espirituais, permitindo um melhor atendimento aos necessitados eliminando fatores de dispersão de fluidos, que geralmente ocorre no passe em público."


3.CLASSIFICAÇÃO E RESULTADO DO PASSE:


A.CLASSIFICAÇÃO DO PASSE

A ação magnética pode produzir-se por diversas maneiras:

Primeiro= Pelo próprio fluido do magnetizador; é o magnetismo propriamente dito, ou magnetismo humano, cuja ação é subordinada à potência e sobretudo à qualidade do fluido;

Segundo=Pelo fluido dos espíritos que atuam diretamente e sem intermediários sobre o encarnado, seja para curar ou acalmar um sofrimento, seja para provocar o sono sonambúlico espontâneo, seja para exercer sobre o indivíduo uma influência física ou moral qualquer. É o magnetismo espiritual, cuja qualidade está na razão das qualidades do Espírito;

Terceiro= Pelos fluidos que os espíritos derramam sobre o magnetizador e ao qual este serve de condutor. É o magnetismo misto, semi-espiritual ou, se assim quisermos, humano-espiritual. O fluido espiritual, combinado com o fluido humano, dá a este último as qualidades que lhe faltam. O auxílio dos Espíritos, em tais circunstâncias, é por vezes espontâneo, porém com mais frequência é provocado pelo apelo do magnetizador.

B.RESULTADO DO PASSE:

O processo de socorro pelo passe é tanto mais eficiente quanto mais intensa se faça a adesão daquele que lhe recolhe os benefícios, de vez que a vontade do paciente, erguida ao limite máximo de aceitação, determina sobre si mesmo mais elevados potenciais de cura.


Os efeitos da ação fluídica sobre os doentes são extremamente variados, segundo as circunstâncias; esta ação é algumas vezes lenta, e reclama um tratamento seguido, como no magnetismo comum; outras vezes é rápida como uma corrente elétrica. Há pessoas dotadas de tal poder, que operam sobre certos doentes curas instantâneas, por uma só imposição das mãos, ou mesmo por um só ato de vontade. Entre os dois polos extremos de tal faculdade, há infinitas variações. Todas as curas desse gênero são variedades do magnetismo e não diferem senão pela potência e a rapidez da ação. O princípio é sempre o mesmo: é o fluido que desempenha o papel de agente terapêutico, e cujo efeito é subordinado à sua qualidade e a circunstâncias especiais.